Viaduto Otávio Rocha

O viaduto mais famoso de Porto Alegre foi o primeiro a ser construído na cidade. Conhecido por sua arquitetura artística, abriga locais históricos, como o cinquentenário Teatro de Arena.

 

Foto: Cesar Lopes/PMPA

A construção fez parte do primeiro Plano Diretor de Porto Alegre, datado de 1914. O projeto, liderado pelo intendente Otávio Rocha e pelo então presidente do estado Borges de Medeiros, consistiu na abertura de uma avenida que ligasse o Centro à Zona Sul da cidade, que, até então, estavam separados por um espigão localizado bem no centro do caminho. O conhecido “morrinho” precisou ser recortado para que a futura Avenida Borges de Medeiros pudesse ser concretizada. Isso ocasionou em uma descontinuidade na Rua Duque de Caxias, restabelecida através de uma passagem de nível — o Viaduto Otávio Rocha.

O projeto foi criado pelos engenheiros Manoel Itaquy e Duílio Bernardi, com elementos ornamentais assinados pelo escultor Alfredo Adloff. Com uma composição estrutural em concreto armado com três vãos, a construção saiu do papel em 1926 e o Viaduto foi entregue à população em 1932. O local foi considerado pelos quase 200 mil porto-alegrenses da época o retrato de uma cidade moderna. As suas características arquitetônicas, bem como a sua relevância sociocultural, levaram o município a inscrevê-lo no Livro Tombo em 31 de outubro de 1988.

Em ambos os lados da Av. Borges, foram levantadas amplas escadarias de acesso até o nível do viaduto, sustentadas por grandes arcadas, debaixo das quais existem cerca de 34 lojas de diversos segmentos — lancheiras, artesanato, as conhecidas lojas de discos, fitas e CDs, etc. Em 2000, foi iniciada uma obra de restauração, com novos pisos, esquadrias e instalações elétrica, hidráulica e telefônica, tudo finalizado em agosto do ano seguinte.

Após a promulgação da Lei nº 10.541, de 19 de setembro de 2008, o espaço público superior do Viaduto Otávio Rocha passou a denominar-se Passeio das Quatro Estações. Com isso, cada uma das quatro escadarias passou a ser identificada por placas com o nome das estações do ano.

Atualmente, o Viaduto faz parte do Plano Municipal de Superação da Situação de Rua, que tem como objetivo criar áreas de convivência para os porto-alegrenses. Em agosto, por meio de uma solicitação do Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), a BM realizou uma ação de retirada de barracas e de pessoas em situação de rua que ocupavam as calçadas inferiores do viaduto. De acordo com as autoridades, não havia pessoas vivendo nessas barracas, apenas usuários e traficantes de drogas estariam usando a cobertura do viaduto e foram retirados do local; por outro lado, há relatos de pessoas em situação de rua que estavam abrigadas ali e que foram impedidas de recolher os seus pertences antes da liberação do espaço.

 

COMENTÁRIOS