Um roteiro de páscoa de muito bom gosto

ESPECIARIAS

Um roteiro de Páscoa de muito bom gosto

 

O Mercado é famoso por suas bancas de especiarias, algumas pioneiras na cidade, quando ainda não haviam lojas especializadas em produtos importados. Veja aqui um pequeno roteiro de algumas das bancas onde você pode encontrar os melhores produtos para uma Páscoa mais sofisticada.

 

 

    Empório 38: mix de produtos

     Para começar, a banca tem mais de três mil rótulos de vinhos bebida indicada para a Páscoa. Tintos, brancos e verdes, que segundo Robson Franzen, gerente da banca, “senta muito bem com o bacalhau”.  Este tipo de vinho, inclusive, vai entrar em promoção para ser comercializado junto com o bacalhau. A banca também disponibilizada mais de 60 rótulos de azeite de oliva. Para Robson, o diferencial da banca é o mix de produtos oferecidos, que vão desde azeitonas, bacalhau, azeite de oliva, temperos, ervas a vinhos. Tudo de acordo com o gosto e receita de cada um.

 

    Banca 43: pioneirismo nas especiarias no Mercado Público

    Uma das pioneiras, premiada e destacada pela qualidade dos seus produtos, a Banca 43 tem inúmeros itens para uma Páscoa de requinte. Começando pelo lombo de bacalhau  dessalgado (uma das poucas a ter). Exibe também uma grande variedade de azeites de oliva, chocolate em barra, “que o pessoal usa muito para doces”, como diz Jefferson Sauer, gerente. E também pães de mel, de origem alemã, decorados com motivos de Páscoa, além da linha de chocolates também alemães (marzipã), importada. Diz Jefferson que nessa época também aumentam as vendas de azeitonas e conservas, assim como temperos específicos, como aneto, para peixes mais nobres. Outra atração da 43 é a linha de peixes defumados, filés e peixes inteiros, como salmão.

 

    Banca Central: bolinhos de bacalhau exclusivos

     A banca tem uma variedade grande. Bacalhau, azeite de oliva, alcaparras, azeitona, funghi, espinafre com funghi e massas de Gramado com nozes ou ricota. E muitas frutas também: castanhas, nozes, ameixas, amêndoas, da Itália, e doces. E além das massas gramadenses, outra exclusividade da Central: os bolinhos de bacalhau, feitos por Tereza Anele Di Lorenzo, uma das proprietárias.  “Só eu que faço aqui no Mercado e tenho clientes exclusivos que vêm buscar. A bandeja com 12 bolinhos sai a R$20 reais. Pode comer de olho fechado e ainda ensino a receita”, diz ela.

 

    Banca 26: a maior exposição de bacalhau do Mercado

    Das bancas mais movimentadas do Mercado, a 26 se destaca pela grande quantidade de bacalhau que expõe no seu espaço, “a maior do Mercado”, segundo Ademir Sauer. O diferencial é dar atenção especial para a clientela nessa época, procurando agilizar o atendimento. Além do carro-chefe (o bacalhau), a banca também é forte em azeite de oliva, frutas secas, chocolate, azeitonas e temperos – dos mais simples aos mais requintados, diz Ademir, o dono. Quanto ao bacalhau, diz que distribui receitas e orientações que recebe do Consulado norueguês de como dessalgar, guardar e fazer. “Qualidade, preço e bom atendimento é o nosso diferencial”, resume.

 

    Banca do Holandes: qualidade de muito tempo

    Outra banca muito movimentada, e das mais antigas também no gênero, a Banca do Holandês, em pleno centro do Mercado, é o exemplo de quantidade e qualidade. Lindomar Moura da Rosa, funcionário, cita alguns dos ingredientes mais vendidos: azeitona, ovo de codorna, cebolinha cristal (muito usada para fazer o bacalhau), azeite de oliva, queijinho para aperitivo. E uma grande variedade de temperos, como lemmon ervas, timichuri, adobo, vendidos em pacotinhos fechados, além de vários tipos de azeite, com mais ou menos acidez. Mas o que mais vende nessa época, diz ele, é o bacalhau. Em pedaços, desfiados ou inteiros, ele reina absoluto.

COMENTÁRIOS