HomeEspecial

Todos à procura de camarão

Clientes

 

Todos à procura de camarão

 

Eles buscam preço, qualidade, variedade. Na safra ou fora dela, todo têm a sua preferência e invariáveis receitas. No verão, principalmente, predomina a procura por camarão, principalmente o do safra. Ao bafo, temperado, frito, não importa. O que importa é que seja camarão.

 

 

Os temperos de Luciana (37 anos, vendedora)

Compro camarão porque eu gosto. Eu faço frito, com tempero verde, alho. Estou achando o preço muito bom, inclusive foi pelo preço que comprei. Quem compra peixe é meu marido, eu só compro o camarão. Entrei por um acaso aqui (na banca Japesca), sou de São Leopoldo.

 

 

 

 

Vladimir Inácio Kraemer de olho no peso e na qualidade

(49 anos, metroviário)

Costumo comprar aqui, nas peixarias. O preço está bom, agora baixou bastante. Este da safra está bem bonito. Mas tem que cuidar bastante com o camarão, pois quando ele está com a cabeça meio amarelada é porque ele já está meio passadinho. Este está bem fresco. Gosto de preparar ao bafo, ao alho e óleo. Aqui é sensacional, encontra qualquer tipo de peixe, os preços são bons, raramente um ou outro que não passam no controle de qualidade. Só tem que se cuidar nas balanças, né? Tem uns caras aí, que estão com as balanças meio desreguladas, que se tu for pesar em outra balança, dá uma diferença boa.

 

 

 

 

 

Camarão para Carlos F. Peixoto só na Semana Santa

(58 anos, autônomo)

Tá bom o preço, R$ 20,00 por dois quilos. Raramente como camarão, apenas na Semana Santa. A parte do preparo é com a mulher. Ela prepara de vários jeitos, com arroz. Primeiro passo aqui (banca Japesca) para depois ir nas outras. Bom preço, já comprei um peixe bom essa semana, pescadinho e garoupa. O preparo? Fritinho.

 

 

 

 Para Mara Silveira Pamplona “preços salgados”

(42 anos, psicóloga)

Sou de Santa Catarina, estou há seis anos aqui. Habitualmente eu venho aqui no Mercado buscar peixe ou camarão fresco. Levando em consideração o camarão que eu conheço, de Rio Grande, eu acho meio caro. Às vezes eu encontro mais barato em Santa Catarina, não consigo entender. Acho que os frutos do mar poderiam ser um pouco mais em conta, mais acessíveis. Quanto à qualidade, no meu ponto de vista, deixa a desejar. Tenho a referência do Mercado Público de Florianópolis. Lá, com certeza, todos os dias tem vários tipos de peixes frescos com variedades de preços. Eu me considero uma frequentadora e gosto muito de toda a outra parte do Mercado, de frios, fiambreria, secos, acho muito bom. Só à parte de frutos do mar que deixa a desejar.

 

 

 

 

O camarão na grelha de Eneida Coimbra

(50 anos, fisioterapêuta)

Sempre compro camarão na Japesca. Costumo preparar com sal e alho em cima de uma grelha. Peixe é um habito alimentar da minha casa, sim. Sempre salmão, camarão. Costumo ir à Banca do Holandês também, onde vendem amêndoascastanhas.

 

 

 

 

A receita de Gilmar Rabelo

(54, comerciário)

Sempre venho na “Coréia” para comprar peixe – camarão é mais raro. Eu costumo preparar o camarão à milanesa. A gente passa ele no ovo, depois na farinha e frita. Sim, é um hábito alimentar. O preço subiu bastante. Ainda mais agora que vem chegando a Páscoa, aí aumenta mais ainda. O melhor momento para comprar é muito relativo, às vezes tu vem aqui e está um preço, depois está outro. Peixe a gente compra porque gosta e não pelo preço.

 

 

Fotos: Gabriel Pereira dos Reis/JM

COMMENTS