Subtropicalmente setembro

Sim, tivemos um inverno frio e úmido, rigoroso como há tempos não havia. Se por um lado sofremos com essa instabilidade gelada, vemos pessoas passando muita dificuldade e desconforto pela falta de abrigo, também vemos atos de solidariedade e aproximação entre as pessoas.

 

BURGOMESTRE, por Sady Homrich

Nosso clima entre subtropical (ou temperado superúmido, segundo alguns) tem as quatro estações bem definidas. Acho que isso ajudou a moldar o perfil de comportamento do gaúcho. O único povo que tem poncho, pala, blusão de lã, japona e sobretudo no mesmo roupeiro junto com camisa de física, regata, bermuda, short e sunga!

E aquela função de rearranjar o armário pelo menos duas vezes por ano. Um amigo meu foi morar no Espírito Santo e disse que sentiu falta daquele momento de reorganizar as roupas. Sempre aproveitava para desapegar e doar aquelas que poderiam aquecer outros corações.

Tudo bem se, enquanto alguns juntam agasalhos para os menos favorecidos e vítimas de intempéries, outros fiquem caçando pokemons, alienados às outras instabilidades, como nossa fase política, por exemplo.

No meio desse turbilhão de falta de ética, agora voltam as campanhas para vereador e prefeito. Eles aparecem assim, sazonalmente. Pessoas de quem nunca ouvimos falar, em sua maioria, entram em nossas casas pela TV, rádio ou caixa de correspondência. Fenômenos de natureza política.

Parece aquele ingrediente que some do mercado para aparecer apenas em uma época. Estive no mercado para as compras de rotina e me deparei com lindas favas. Estava com saudades das favas frescas, desde o inverno passado. Comprei uma porção bem escolhida de vagens bem novas. As vagens, depois de sacar-lhes as favas, bem cozidas ficam deliciosas refogadas com uma linguiça defumada, por exemplo. As favas debulhadas podem ir para a panela com carne de porco, numa receita portuguesa fácil de fazer.

Para acompanhar, um estilo de cerveja que combina bem com o final do inverno é a Rauchbier, embora eu a tome em qualquer estação. Sua principal característica é o malte defumado ou, literalmente, esfumaçado, trazendo um paladar que lembra bacon, costelinha defumada e outros produtos de fumeiro. Não estranhe, algumas chegam a ser salgadas!

Podem ter adição de maltes defumados de duas formas. Com madeira, tradicional da região alemã da Francônia, chamado rauchmalz, ou de origem britânica, o peated malt, defumado com turfa como alguns maltes para uísque. Cada um com suas nuanças de sabor.

Essa cerveja fica bem com qualquer prato que tenha algum defumado, como lentilha, feijoada, hambúrguer com bacon, churrasco e linguiças. Em Bamberg, capital da Francônia, tem uma famosa receita de cebola recheada com carne suína, coberta com bacon, assada lentamente e temperada apenas com a Aecht Schlenkerla Märzen Rauchbier (5,1% alc), a mais famosa do estilo, encontrada facilmente por aqui.

Já falei de Bock e Doppelbock gaúchas de trigo defumado nas edições do JM de junho e julho, respectivamente.  Temos a Bierbaum Märzen Rauchbier (4,6% alc), sazonal produzida para as festas de outubro. De Votorantim/SP, temos duas: a Bamberg Rauchbier (5,2% alc) e a Franconian Rapsody (5,0% alc), com maltes mais claros.

Que os ventos da primavera tragam boas cervejas e políticos mais comprometidos com as necessidades do povo!

 

Abraço do Burgomestre

SADY HOMRICH

Que a fonte nuuuunca seque!!!

COMENTÁRIOS