Souk Wakif – Mercado tradicional em Doha/Qatar

Na parte antiga da cidade, ao lado da nova Corniche, avenida moderna que margeia o Golfo Arábico, em típica construção da arquitetura árabe, do tempo em que o petróleo era desconhecido por aqui, encontramos o mercado mais tradicional do Qatar.

 

 

Para quem chega é o primeiro passo para compreender mais um Emirado Árabe. Para descobrir a alma de um país, comece pelos seus mercados. Construção baixa, alvenaria de tijolos, pintados na cor ocre do deserto, entradas em arco, teto suportado por troncos e telhado originalmente coberto com folhas de palmeiras, mesmo modernizado, é o centro de encontros dessa Doha que nos surpreende. O movimento aumenta durante o entardecer e mesmo pela noite. O calor do dia afugenta turistas e nativos.

As famílias saem, não apenas para as compras, mas para frequentar os diversos restaurantes. Há de tudo, inclusive para os turistas, que experimentando fumar os narguilés nos restaurantes turísticos, não aceitam a culinária local. Em setores específicos, podemos comprar pássaros com todos os acessórios necessários para mantê-los em prisão, bem como adquirir falcões para o esporte tradicional da caça. Os árabes, principalmente os xeiques, adoram a tradição. A área dos produtos tradicionais, como especiarias, incluindo pimentas, misturas de condimentos e sementes de todos os tipos, segue o procedimento normal. Em sacos ou em grandes receptáculos são vendidos a granel. Para os chás, algo inerente à cultura árabe, as possibilidades são imensas.

Na área dos tapetes, as cores e os padrões surpreendem. Usando a lã dos carneiros, aparecem bons preços e artigos mais rústicos. As roupas tradicionais não são adequadas ao uso diário pelos ocidentais. Mas aqui são essenciais. Bazares, tudo misturado, além das tradicionais recordações, como punhais, artigos de couro, também oferecem a arte no vidro. Lustres, abajures, na técnica síria da fundição são importantes na decoração de residências, de salas e mesmo de lojas. O problema está no transporte: são artigos belos, mas frágeis. No entorno, além da Mesquita de Fanar (que em árabe significa farol), encontramos Al Koot, o tradicional forte árabe, com seu perfil característico, que vimos pela primeira vez nos tradicionais filmes de Hollywood sobre a Legião Estrangeira.

O estábulo dos dromedários da guarda do palácio fica ao lado. São imensos, cores avermelhadas no pardo. Com sorte, podemos assistir manobras e exercícios da guarda pela manhã, bem cedo. No final da noite, no meio dos habitantes locais, não deu para resistir a tentação de experimentar o prato do dia: espetinhos de carneiro acompanhados do tradicional pão árabe, recém-saído do forno de barro.
Delicioso como aperitivo da noite que recém começava. A lua cheia, dádiva de sorte, era soberana nos céus de Qatar.

COMENTÁRIOS