Salvator, a Doppelbock I

Chega o frio e, junto, as “cervejas de inverno”. Mais encorpadas, alcoólicas e complexas, têm representantes em todas as escolas.

 

BURGOMESTRE, por Sady Homrich

De origem germânica, a Doppelbock é uma cerveja mais forte, maltada e com maior teor alcoólico do que a Bock, estilo criado no norte da Alemanha lá pelo século XII. No século XIV, já era bastante popular, coisa que incomodava muito os cervejeiros da Baviera, além do prejuízo financeiro.

A partir de então, os bávaros iniciaram a produção local de cerveja Bock e, em 1612, o Duque Maximiliano I convidou o principal mestre-cervejeiro de Einbeck, cidade onde se originou o estilo, a visitar Munique, convencendo-o a fabricar a autêntica cerveja Bock. Em 1614, a cervejaria real de Munique, a Hofbräuhaus, já estava produzindo essa cerveja para a sua população. A paixão pelo estilo foi imediata.

Os monges seguidores de São Francisco de Paula, conhecidos como Paulaners na Alemanha, jejuavam duas vezes ao ano. Esse jejum era a proibição de consumo de alimentos sólidos durante os 40 dias da Quaresma e as quatro semanas que antecedem o Natal, período chamado de Advento.

Para consumir durante as festas e para os períodos de jejum — já que a cerveja é um alimento líquido —, os monges fabricavam uma cerveja bastante nutritiva e forte que começou a ser comercializada em 1780. A população, impressionada pelo seu alto teor, começou a chamá-la de Doppelbock, ou seja, Bock dupla. No início do século XIX, Franz Zacherl adquiriu a cervejaria Paulaner e batizou-a de Salvator (7,9% ABV), a forte cerveja da Quaresma.

Após o sucesso do estilo, várias cervejarias começaram a produzir a cerveja — e adicionavam o sufixo “-ator” a suas marcas. Ainda hoje, podemos encontrar várias delas, como Maximator (Augustiner), Animator (Hacker-Pschorr), Celebrator (Ayinger), Optimator (Spaten), Kulminator (EKU), Triumphator (Löwenbrau), Impulsator (Wieninger), entre outras. A exceção que não termina em -ator é a Korbinian, Doppelbock da Weihenstephaner, pois já era produzida antes da Paulaner Salvator.

Que a fonte nuuunca seque!

COMENTÁRIOS