Sady Homrich, baterista da banda Nenhum de Nós

ESPECIALISTA

Sady Homrich, baterista da banda Nenhum de Nós

Engenheiro Químico e Consultor Cervejeiro

Quando o Jornal do Mercado me procurou para complementar essa pauta, fiquei honrado com o convite, surpreso com a oferta de cervejas artesanais em nosso Mercado Público e com a pergunta do Fabrício: “O que é exatamente uma cerveja artesanal?”.

     Essa questão é polêmica, muitas cervejarias comerciais querem que sua cervejinhas “Premium” sejam consideradas artesanais ou, pelo menos, especiais, para dividir o pequeno espaço dedicado a elas. As categorias Comum, Extra, Premium, Super Premium e Especial são apenas comerciais, indicando faixa de preço; não definem “estilo”, que é o que realmente diferencia as características sensoriais. Então peguei vários textos sobre o assunto que escrevi ao longo dos últimos e transformei num jogo de perguntas e respostas. Vamos lá:

 

Quais os critérios que são usados para classificar uma cerveja?

     Tecnicamente a divisão se dá em Ales (de alta fermentação) e Lagers (de baixa fermentação). Eu prefiro dizer que há cervejas que me agradam mais e outras menos, de acordo com a ocasião. Dentro desses dois grandes ramos podemos ter cervejas claras ou escuras, com maior ou menor teor alcoólico, desde que produzidas com critérios e matérias-primas selecionadas.

O que torna uma cerveja “artesanal”? E como ela é produzida?

     Embora poucos conheçam, há um verdadeiro universo de sabores possíveis a partir da fermentação dos três ingredientes básicos da cerveja: água, malte e lúpulo. Variando as proporções e o manuseio é possível obter mais de 100 estilos. A cervejaria mais antiga descoberta por arqueólogos no Egito data de 5.400 anos a.C. e já produzia vários tipos de cerveja. Por que vamos nos contentar com poucos? Outros ingredientes, desde que usados para o bem, agregam sabores e aromas que não devemos desprezar. Especiarias, frutas, açúcares, microorganismos selvagens e ervas são diferenciais surpreendentes! Também há a valorização dos produtos locais. Na Bélgica e na Alemanha quase toda cidade tem, no mínimo, uma cervejaria.

 

O que difere a cerveja artesanal das demais?

   Rótulos, garrafas, rolhas, tampinhas, aromas, sabores e preços bem diferentes daquelas louras geladas que ocupam grandes espaços nas propagandas e prateleiras. Os fatores que irão conferir o status de Cerveja Artesanal são as características dos maltes e seus graus de torrefação, a procedência do lúpulo, da água e dos critérios de formulação e operação do Mestre-Cervejeiro que deverá primar pela qualidade superior. Não são admitidos adjuntos químicos, que visam apenas “baratear” o líquido, aumentando dessa forma a rentabilidade.  Só no RS temos mais de 20 cervejarias artesanais. Porque não valorizá-las?

 

Tem como o leigo saber se uma cerveja está boa ou ruim? Existe um prazo de validade?

    Sim. O primeiro indicativo é o prazo de validade. Mas é bom ficar atento, pois as cervejas de baixa fermentação terão seu melhor momento mais próximo da data de fabricação. Já as “ales” com maior teor alcoólico, como os estilos Barley Wine, Tripel e Quadrupel podem durar bem mais. Existem Bières de Garde (cervejas de guarda) e Gueuzes safradas como vinhos, quanto mais velhas, melhor! É muito importante ler o rótulo. Se houver, entre os ingredientes os termos: “cereais não-maltados, adjuntos cervejeiros, corante caramelo, estabilizante ou conservante” você achou uma cerveja que não é artesanal. Troque de cerveja! 

 

Qual o papel da mulher no consumo da cerveja?

   Essa realidade está mudando bastante na última década. O público feminino tornou-se mais exigente, por conta da maior oferta de cervejas de qualidade superior e pela sua vocação natural para a análise sensorial. As mulheres bebem menos, mas tomam bebidas com maior qualidade e valor agregado. Enquanto a maioria dos homens bebem quantidades industriais de, praticamente, qualquer cerveja, as mulheres abrem mão desse comportamento imoderado, nem sempre educado e muitas vezes deselegante para escolher uma boa cerveja especial para desafiar seu paladar. Claro que entre ambos os sexos temos exceções. Vá em um PUB que tenha boa carta de cervejas e comprove: estão cheios de garotas!

 

Onde tomar uma boa cerveja artesanal?

    Está cada vez mais fácil encontrar um bar, restaurante ou pub que tenha carta de cervejas. A prova é o Mercado Público, onde já podem ser encontradas em vários lugares. Gambrinus, Seninha, e principalmente no Nova Vida. Desconfie de um estabelecimento que vende apenas uma marca de cerveja, pois o proprietário escolheu trabalhar para essa marca e não para o cliente. Por causa de alguns freezers, mesas e um punhado de dinheiro bares e restaurantes ficam atrelados a uma exclusividade criminosa que penaliza o cliente e o proprietário, que é obrigado a revender uma única marca nas condições impostas pelo fabricante por longo prazo.ficam atrelados a uma exclusividade criminosa que penaliza o cliente e o proprietário, que é obrigado a revender uma única marca nas condições impostas pelo fabricante por longo prazo.

 

(SE BEBER, NÃO DIRIJA)

COMENTÁRIOS