Rua da Ópera e dos Ferreiros

Rua Uruguai
Extensão: da Rua dos Andradas até a Av. Mauá
Foto: Letícia Garcia

 

Desde fins do século XVIII, a Rua Uruguai está aberta no Centro. Começou como um beco saído da Rua da Praia, que descia até o Porto dos Ferreiros, localizado no litoral do Guaíba — que então beirava a atual Rua 7 de Setembro.

A passagem foi ocupada, em 1794, por um barracão de madeira criado para receber apresentações teatrais, a Casa da Comédia ou Casa da Ópera. Logo, então, a rua passou a ser chamada de Rua (ou Beco) da Casa da Ópera, ou apenas Rua (ou Beco) da Ópera. A atração cultural e os moradores da região levaram a Câmara Municipal a pensar em sua melhoria já no início dos anos 1800.

Em 1833, uma grande enchente destruiu a já danificada Casa da Ópera, que se manteve na lembrança e fez com que a rua continuasse com o mesmo nome por algum tempo. Logo a denominação começou a alternar com Rua dos Ferreiros ou Beco do Porto dos Ferreiros, que continuou existindo na sua extremidade.

Comércio e homenagem

A partir de 1860, após a urbanização da Rua 7 de Setembro, a Rua da Ópera foi estendida em direção ao rio/lago, que já contava com aterramentos. O Porto dos Ferreiros desapareceu e a área se tornou um ponto comercial, em especial de lojistas de fazendas, o que levou a Câmara Municipal, em 18 de setembro de 1869 (mesmo ano de fundação do Mercado Público), a determinar que ela passasse a se chamar Rua do Comércio.

A obra do seu calçamento foi levada adiante em seguida. Em pouco tempo, a rua foi prolongada até a atual Siqueira Campos e viu nascer ao seu lado, no início do século XX, o Paço Municipal.

Em 26 setembro de 1916, o intendente (prefeito) José Montaury mudou o nome da Rua do Comércio para Rua Uruguai, como forma de homenagear a vizinha República do Uruguai. A mesma razão levou a Praça Municipal, em frente ao Paço, a ser rebatizada de Praça Montevideo. Com a construção do Cais do Porto, nos anos 1920, a Uruguai foi prolongada até a Av. Mauá. Hoje ela continua abrigando comércio, além de bancos, financeiras e cafés.

COMENTÁRIOS