Reforma no Mercado: Mais qualidade para todos

Foto: CCS/PMPA

Como presente pela passagem dos seus 138 anos, que ocorrerá em 03 outubro, o Mercado Público está sendo reformado para melhor acolher seus visitantes. Oferecendo novos serviços e se modernizando. Mantendo as suas características arquitetônicas e o conceito histórico que o levou a ser tombado Patrimônio Histórico e Cultural do Município de Porto Alegre em 1.969. A fachada será totalmente recuperada e pintada, serão trocadas as tampas de esgoto, troca do piso do 2ª pavimento, troca dos vidros do quarto quadrante, receberá melhorias no sistema hidráulico e elétrico e a posterior limpeza e pintura da cobertura. Uma das coisas mais importantes da reforma, segundo o engenheiro da equipe técnica dos próprios, Agnelo Juchem.

O presidente da Associação do Comércio do Mercado Público Central de Porto Alegre – ASCOMEPC , Fortunato Garcia Machado acredita nas melhorias da reforma. Mas lembra que a reforma deveria ter sido discutida com os permissionários, “A única parte que participamos foi na aprovação do Funmercado, onde votamos favorável à reforma e ao seu custo”. A reforma ampla dos banheiros não foi orçada, o que acaba trazendo insatisfação dos permissionários. Com a diminuição dos sanitários públicos no entorno do Mercado, a
população passou a utilizar os banheiros do Mercado. Isso deve ser avaliado, nessa reforma, para efetuar as melhorias necessárias.
Não esquecendo dos trabalhadores do Mercado. Onde hoje, existem apenas três sanitários femininos e masculinos, para atender quase mil trabalhadores, ressalta o presidente. Lembra ainda que durante a reforma não foi pensada estruturas para aportar shows e eventos nos altos do mercado. O que hoje é uma realidade do mercado, voltando-se cada vez mais para a vida noturna da cidade, que já conta
com projetos para o verão de 2008. Os próprios permissionários percebem esse movimento, passando a investir em seu comércio. Este ano foram investidos mais de 180 mil reais, na troca das mesas e melhorias em seus estabelecimentos, assim como também no 1º piso onde estão sendo realizadas reformas, com mais de 1 milhão investidos em equipamentos e layout, buscando oferecer conforto ao
cliente.

Para Marcelo Fronchetti, proprietário da Padaria Pão de Açúcar, alguns dos poucos itens que chegaram para a discussão com os permissionários, o principal para ele não foi respeitado. O pátio de obras deveria ter sido instalado junto a Av. Borges de Medeiros, como acordado. Da noite para o dia, foi decidido que o pátio de obras ocuparia parte do largo Glênio Peres, em frente aos estabelecimentos do Mercado, atingindo de forma negativa a circulação de seus clientes, além de esconder e causar má impressão
ao turista. Marcelo teve redução de quase 30% em seus negócios, o que o levou a exigir, juntamente com todos os permissionários do Mercado, através de um abaixo assinado, a realocação do pátio de obras, a uma distância maior em relação ao Mercado de no mínimo dois metros. “A reforma é boa, só que se deve dar valor ao comerciante. É preciso perceber o nosso lado, temos funcionários, aluguel, luz … precisamos ter as mínimas condições para trabalhar. Colocaram um paredão na minha frente”. Já Oscar Endres, trabalhador do Mercado há 53 anos, admirado, funcionário da banca 43, lembra dos tempos da urgente reforma na década de 90: “Tivemos grandes conquistas, muitas coisas melhoraram, tanto para o cliente como para o permissionário”. Deseja que dessa vez a reforma seja ainda melhor, contemplando a população do Mercado. “Quando se fala numa reforma geral, acredito que tem que começar na cozinha e terminar na sala. Nós os permissionários temos que nos unir e dar uma “confiscada” nos trabalhos. Este tipo de coisa é sempre para melhorar”. Alguns ítens que não foram cogitados na licitação da reforma, ocorrida há dois anos, ou que já tiveram ampliação de custos, podem ainda ser contemplados pela reforma. Desde que não ultrapassem 25% do valor total de R$ 1,2 milhão (recurso provenientes do Fundo do Mercado Público – Funmercado), que acumula os aluguéis pagos pelos permissionários. Os banheiros serão reformados, mas para haver ampliação significativa neles e vestiários é preciso um novo projeto, pois isto não consta nos aditivos. O Mercado possuiu uma sala para a utilização dos funcionários e permissionários, e que hoje é destinada aos fiscais da SMIC. Cabe apenas uma nova negociação entre a Associação e os permissionários para a reutilização da sala como um novo vestiário, sugere Agnelo. A limpeza e a conservação do Mercado são importantes para manter o turista e os portoalegrenses próximos deles. “As pessoas se deslocam de bairros para comprar aqui, fazem isso, porque só aqui elas encontram o que buscam. Quem estava acostumado com o Mercado vai gostar, e quem o visitar pela primeira vez, vai querer voltar,” afirma Macia Mascarelo, há sete anos no Mercado, à frente do restaurante Telúrico. A reforma deve ser finalizada em meados de dezembro.

COMENTÁRIOS