Programa Alimentos Seguros no Mercado

Saúde

 

Programa Alimentos Seguros no Mercado

 

Com objetivo de sensibilizar a população para a correta manipulação dos alimentos, foi lançado o Programa Alimentos Seguros (PAS) para o consumidor gaúcho com uma série de ações voltadas à segurança alimentar.

Uma das ações foi desenvolvida durante dois dias no Mercado Público  e outra, mais ampla, envolveu palestras com o Dr. Bactéria, divulgando medidas na prevenção de doenças. As informações se referem à escolha, transporte, armazenamento, preparo e ingestão de alimentos. O PAS Consumidor é uma parceria que reúne Sebrae, Senai, Senac, Sesi e Sesc, com apoio do  CEVS- Centro Estadual de Vigilância em Saúde e a Secretaria Municipal da Saúde. Segundo Danyela de Souza Pires, do comitê gestor estadual do PAS, representando o Sebrae, o PAS Consumidor foi lançado oficialmente em Porto Alegre porque o comitê gestor do RS é líder em implementações do PAS. No térreo do Mercado circularam bonecos representando os perigos, além do Dr. PAS. Esses personagens levaram as pessoas até um consultor em segurança alimentar, que fez demonstrações, inclusive com o uso de microscópio, esclarecendo dúvidas sobre o tema.

Foram distribuídos cartões de raspadinhas para concorrer a brindes, enquanto um telão transmitia dicas básicas de como cortar, descongelar e guardar os alimentos. Também foram distribuídas cartilhas sobre alimentação segura e  papel-bandeja com “10 dicas para um consumo seguro”. O Mercado já desenvolve outro trabalho em favor da segurança alimentar. O Projeto Setorial do Sebrae/RS, com a parceria da Ascomep, Senai e Smic, promove a implementação do PAS nos estabelecimentos do local. Já aderiram todas as peixarias, açougues e mercearias, em um total de 37 estabelecimentos. A meta é que 100% das empresas de alimentação estejam com o PAS até o final de 2010.

Ursula de Lemes Silva, do SENAC e consultora do PAS informa que a ênfase é no consumidor final e os cuidados que ele deve ter em relação aos alimentos, alertando que já são seis mil mortes no país provocadas por alimentos. Em relação ao Mercado Público, ela diz: “Foi uma grande parceria, pela sua visibilidade que, além de ser um ponto turístico é também um ponto de responsabilidade social no comércio de alimentos”, diz ela, para quem a fiscalização do consumidor final é fundamental no processo. Já para a garçonete Ione Cavalheiro, o que mais chamou a atenção foi o trabalho de como conscientizar a comunidade a evitar a contaminação. “Tem que cuidar quando comprar, higienizar antes guardar e armazenar num lugar limpo e bem tapado”, conclui.

COMENTÁRIOS