Preparando a estrutura

Preparando a estrutura

 

As obras de restauração do Mercado seguem no ritmo esperado. Agora a construção já começou.

 

Depois dos tapumes erguidos e da estrutura de suporte, a empresa contratada para a restauração iniciou o trabalho de limpeza, que agora em março está quase concluído. No momento, a empresa responsável está montando a estrutura para fazer o vigamento, a colocação de vigas, e começar a fundir a laje que será construída na parte sinistrada. Esta estrutura, aliás, não existe no Mercado, e será erguida como uma proteção extra para evitar que novos incêndios se propaguem. “Nós estamos trabalhando agora a segunda etapa, que é a contratação da empresa que vai fazer a parte metálica do telhado”, adianta Antônio Lorenzi, coordenador de próprio da SMIC, que acompanha a restauração de perto. “Estamos com alguma dificuldade para aprovar no PAC Cidades Históricas, porque é um trabalho que não tem similar, cada telhado é único”, diz. Mesmo assim, tudo indica que a obra será entregue nos oito meses planejados. A reforma do Mercado tem o valor de R$ 19,5 milhões, com recursos federais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Cidades Históricas. R$ 6,5 milhões já foram aprovados pelo governo e, deste valor, R$ 2,6 milhões foram liberados em janeiro.

Segundo piso

Enquanto isso, o segundo piso continua sem a plenitude de sua energia elétrica – uma negociação com a CEEE procura restabelecer a potência que o Mercado tinha antes do incêndio. A central elétrica do Mercado, com quatro transformadores de 500 kva, está recebendo 100 kva, ou seja, 1/5 da capacidade de um transformador. Isso não atende às necessidades dos funcionários , e uma negociação com a CEEE está em andamento, conforme informa Lorenzi.

 

Foto: Letícia Garcia

COMENTÁRIOS