Piano livre e vivo

Piano livre e vivo

Projeto Piano Livre leva melodia à rotina de mercadeiros e frequentadores do Mercado Público.

Dez pianos servem de tela para dez artistas plásticos gaúchos e então são distribuídos em dez locais públicos de grande circulação para que qualquer passante interessado possa tocar: esse é o Projeto Piano Livre, que procura levar mais música ao cotidiano das pessoas. Dia 22 de novembro foi a vez do Mercado Público receber seu piano, um Schwartzmann trabalhado pela artista Ananda Kuhn, que foi colocado no cruzamento central, a poucos passos da obra Bará do Mercado. O sábado de inauguração contou com os pianistas Germano Rocha e Luciano Leães tocando blues e Alexandre Alles trazendo ragtime. Os ritmos, considerados “música de labuta” ligada à cultura afro-descendente, têm tudo a ver com a história do Mercado. Alles e Leães tocaram “a quatro mãos”, a cantora de blues Luana Pacheco deu uma palhinha e até o secretário da SMIC, Humberto Goulart, dedilhou um trecho na inauguração. “A expectativa é que as pessoas mantenham o piano vivo”, diz Lilian Ferrari, uma das organizadoras do projeto. “Espero que, além daqueles que vão até o Mercado para ver o piano, o dia a dia de quem está lá, trabalhando, seja mais agradável devido a esta experiência”.


Foto: Lucas Vieira Lima/JM 

Música no Mercado

E o piano está agradando, pelo menos a Daniel de Souza, responsável pelo bacalhau da Banca do Holandês, que tem uma visão privilegiada do centro. “O piano ainda é algo sofisticado e, como o Mercadão tem todos os níveis sociais, tem um pessoal que não só acha bacana como vai ali e toca um pouco”, conta Daniel. “Às vezes, para ouvir melhor, tenho que me aproximar. E está variando bastante, pessoas jovens e pessoas mais velhas, é bem legal”. Uma dessas pessoas que parou para participar do projeto foi Eduardo Moraes, estudante de Psicologia de 27 anos, que há 12 anos toca o instrumento. Na movimentada manhã de compras do prédio, fez soar no centro do Mercado “Imagine”, de John Lennon, “November Rain”, de Guns n’ Roses, e “Skyline Pigeon”, de Elton John. “A melodia pode mudar o dia de alguém, a rotina corrida – a melodia, a música, a arte muda a vida das pessoas”, diz.

O piano no Mercado vai passar por um período de um mês de experiência estipulado pela Coordenação de Próprios da SMIC. Se a aceitação for geral, fica até abril de 2015, como os  e mais pianos pela cidade. O Projeto Piano Livre é uma realização da Mata Hari, Person Piano e StudioClio, financiado pela Secretaria do Estado da Cultura e com apoio de Alt Artes,  Distrito C, Hostel Boutique, Humanus, mínima.fm e Multicenter.

COMENTÁRIOS