Perspectivas para o ano mercadeiro

PPCI em andamento, reabertura do segundo andar mais próxima, programação anual de aniversário, aguardo da verba federal e estudos sobre gestão privada do Mercado — confira as perspectivas para 2019, ano do 150º aniversário do Mercadão.

 

Talvez a maior expectativa para o Mercado neste ano continue a mesma: a reabertura do segundo piso, para que o prédio volte a funcionar plenamente e os restaurantes deslocados para o Espaço de Eventos voltem a seus locais originais. Com a área atingida pelo incêndio de 2013 restaurada desde 2016, o que está impedindo a reabertura é a execução dos itens do Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndios (PPCI), que a prefeitura não encaminhou por falta de verba.

Por conta disso, em um grande acordo feito com o Ministério Público em maio passado, a Associação de Comércio do Mercado Público Central (Ascomepc), que representa os permissionários, assumiu o PPCI. De lá para cá, com investimento dos próprios mercadeiros, projetos e obras foram sendo feitos, e entramos fevereiro com uma boa notícia: o projeto executivo está concluído e está assinado o contrato de execução do PPCI.

Com isso, as obras de execução devem começar em breve, envolvendo a rede seca que vai compor o Mercado, como sinalização e extintores. “Nos próximos meses, deve começar uma movimentação”, informa João Alberto Cruz de Melo, presidente da Ascomepc. “2019 vai ser um ano de trabalho, de consolidação de gestão. Em maio, nós temos a troca de diretoria, que passa por uma assembleia, mas o projeto, como planejado, vai seguir adiante”, acrescenta. A previsão inicial de conclusão do PPCI é até novembro de 2019, com possibilidade de prorrogação.

Foto: Letícia Garcia

Verbas federais10

A Coordenação da Memória Cultural/SMC enviou em dezembro ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) de Brasília/DF os novos ajustes na documentação dos projetos de qualificação do Mercado Público para liberação da verba federal.

Os documentos seguem em análise no Iphan e espera-se uma resposta ainda este ano. Em 2013, foram garantidos R$ 19,5 milhões para recuperação do Mercado por meio do PAC Cidades Históricas; dessa quantia, R$ 10 milhões foram investidos entre 2014 e 2016 para restauração da parte destruída e os R$ 9,5 milhões restantes estão nessa fase de liberação, previstos para qualificação do prédio.

Por ser tombado como Patrimônio Histórico e Cultural, é necessária a aprovação do Iphan para liberação dos recursos. Estão nessa etapa os projetos de pavimentação, circulação interna, elevadores, escadas rolantes, projeto elétrico, de telefonia, de lógica e de Sistemas de Proteção contra Descargas Atmosféricas (SPDA) e projeto hidrossanitário.

 

Nova prorrogação

Em janeiro, a prefeitura concedeu novo prazo para que o consórcio vencedor do edital de Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) entregue os estudos sobre o Mercado. A nova data é dia 17 de fevereiro. O consórcio, formado pelas empresas Aloísio Zimmer Advogados Associados, Elemental Desenvolvimento Imobiliário e Concessões e Urbana Logística Ambiental do Brasil, organiza um levantamento sobre a estrutura do local voltada a requalificação, manutenção e operação do Mercado, para que, em uma etapa posterior, seja organizada a licitação da gestão do espaço por uma parceria público-privada (PPP). A Secretaria Municipal de Parcerias Estratégicas (SMPE) está responsável por este processo.

 

Programação de aniversário

Para comemorar os 150 anos do Mercado, uma ação conjunta entre Coordenação de Próprios Municipais/SMDE e Ascomepc irá promover um calendário de eventos que deve se estender por todo o ano. As primeiras atividades estão previstas para março: um Festival de Gastronomia e Cerveja Artesanal a ser realizado num domingo, no Largo Glênio Peres, com food e beer trucks e participação das bancas do Mercado interessadas. “Vamos abrir um prazo para que empresas interessadas em serem parceiras possam se manifestar, para exporem a marca e darem uma contrapartida para a elaboração do evento, para que não tenhamos utilização de recursos públicos”, explica Denis Carvalho, coordenador de Próprios Municipais.

Outras atividades previstas para o ano são: Festival de Vinho, Festival de Chocolate, Mercado Enamorado, piquete na Semana Farroupilha e Programação de Natal. Para outubro, mês de aniversário, haverá uma exposição de fotos sobre o Mercado nos corredores térreos, resultado de um concurso fotográfico que o Jornal do Mercado irá realizar. O calendário oficial será lançado em fevereiro.

 

COMENTÁRIOS