Painel Afro-Brasileiro é inaugurado

Painel Afro-Brasileiro é inaugurado

A obra é o quarto marco do Museu do Percurso Negro em Porto Alegre.

A inauguração do Painel Afro-Brasileiro foi em 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, data simbólica para reforçar a visibilidade que o projeto Museu do Percurso Negro dá à cultura afro-brasileira e descendente. O Painel é uma criação de Pelópidas Thebano, com execução de Vinicius Vieira. Feito com técnica de mosaico em cerâmica, tem 95 x 600 cm. “As cores remetem ao pan-africanismo, as linhas pretas remetem ao arruamento do Centro Histórico da cidade”, explica Vinicius. “A oportunidade de executar a obra de arte de um artista reconhecido como o Pelópidas Thebano é uma honra para mim”, acrescenta. O Painel fica no Largo Glênio Peres, em frente ao Mercado Público. “É uma obra de arte democrática, aberta a qualquer pessoa, na altura dos olhos, ao alcance da mão – não precisa entrar num museu para conhecer, ela está na rua, portanto é de todos e de todas”, destaca Margarete Costa Moraes, chefe da representação do Ministério da Cultura/Regional Sul.


Pelópidas Thebano e sua criação | Foto: Lucas Vieira Lima/JM 

Diferente das demais obras que compõem o Museu, esta foi realizada com recursos do Prêmio Funarte de Arte Negra/ Ministério da Cultura (MINC) e Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SPPIR), com apoio da Prefeitura de Porto Alegre. Além da obra, a verba do Funarte incluiu a formação de jovens no entendimento da cultura afro- -descendente e o lançamento de um catálogo sobre o tema. “Nossa luta é marcada por uma expressão muito simples: é uma luta libertária, de todo tipo de preconceito, de todo tipo de discriminação”, diz Ivan Braz, do Grupo de Trabalho Angola Janga, responsável pela coordenação e realização do projeto, que nasceu a partir de uma demanda do Centro de Referência Afro-Brasileiro (CRAB). A escolha do Largo para lugar da quarta obra foi por este ser marcante na passagem de ancestrais da comunidade negra pela cidade. Os demais marcos também tem esta relação com Porto Alegre, localizados em pontos de referência afro-brasileira: o Tambor no Gasômetro, a Pegada Africana na Praça da Alfândega e o Bará do Mercado, no cruzamento central do Mercado Público.

COMENTÁRIOS