Orla do Guaíba

A orla da cidade se estende por vários quilômetros, incluindo praias e margeando Porto Alegre até a Região Extremo-Sul, onde se encontra com as águas de Itapuã – que desaguam na Lagoa dos Patos. Mas, nos últimos tempos, o que se chama “Orla” tem se concentrado no perímetro urbano, indo, basicamente, até o Museu Iberê Camargo, hoje um dos pontos mais visitados e procurados, principalmente pelo pôr do sol.

Foto: Joel Vargas/PMPA

A ponta do Gasômetro já abrigou uma cadeia pública e uma usina de gás, que abastecia a cidade em meados do século passado — mais tarde, transformada na Usina do Gasômetro, espaço cultural em processo de reforma. Porém, todo o entorno passou por uma profunda reestruturação, ganhando um novo perfil, com uma radical intervenção urbana no seu espaço físico. Foi o projeto de revitalização da orla da prefeitura municipal, com conceito arquitetônico do paranaense Jaime Lerner, intitulado Parque Urbano da Orla do Guaíba.

O primeiro trecho da nova orla do Guaíba, chamado de Parque Moacyr Scliar, foi entregue à população em 29 de junho de 2018. Ele compreende 1,3 km, indo da Usina do Gasômetro até a Rótula das Cuias, com quatro bares (um já em operação), restaurante panorâmico, construído sobre o Guaíba, passarelas sobre o rio, pistas e quadras esportivas, áreas de lazer, atividades ao ar livre e de contemplação. O projeto ainda prevê a presença de 19 ambulantes. Aos sábados e domingos, milhares de pessoas têm procurado a Orla, que se tornou um dos maiores atrativos turísticos da cidade.

Na esteira do sucesso da primeira fase, a prefeitura de Porto Alegre já apresentou a proposta de revitalização do trecho 2, entre a Rótula das Cuias e o Anfiteatro Pôr do Sol, com custos previstos de R$ 70 milhões, que deverão ser bancados pela iniciativa privada. A novidade é a previsão da instalação de uma roda-gigante de 80 metros de altura, que seria a segunda maior do país e já promete se tornar outra grande atração turística da capital.

Precedendo a publicação do edital, uma consulta pública para analisar propostas e sugestões da sociedade civil. O vencedor da licitação (que vai custear a revitalização do trecho) terá como contrapartida a exploração comercial da área — e da roda-gigante. Depois, será a vez da revitalização do trecho 3, entre a foz do Arroio Dilúvio até o Parque Gigante, na Avenida Beira Rio.

Por sua vez, a prefeitura desenvolve o projeto Orla-Poa, com um conjunto de ações, incluindo a revitalização completa da Usina (em 2020), terminal turístico para barcos de passeio, parque infantil, academias ao ar livre, passeio público com arquibancadas, ciclovia, etc. Além disso, o esperado projeto Cais Mauá, que prevê a restauração dos armazéns, centro de eventos, torres comerciais, hotel e até um shopping center na área do Cais.

COMENTÁRIOS