O lúdico jogo da preservação da memória do patrimônio cultural

O lúdico jogo da preservação da memória do patrimônio cultural

Por Emílio Chagas 

“Só se preserva o que se ama, e só se ama o que se conhece”. Citando a frase de Aloísio Magalhães, ex-Secretário de Cultura do Governo Federal, já falecido, o Coordenador da Memória Cultural da Secretaria de Cultura da PMPA, Luiz Antônio Bolcato Custódio, faz uma analogia com produtos lançados pela sua Coordenação. Tudo começou com placas de sinalização e orientação, interpretativas, e as com denominações dos lugares e desenhos do artista gráfico Joaquim Fonseca. A partir disso, surgiram uma série de produtos, jogos de memória e publicações que buscam difundir e preservar a memória cultural e arquitetônica da cidade. Todas estão à venda no Memorial do Mercado Público e no Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo, além de souvenirs que fazem parte da ação educativa patrimonial.

 

À frente da Coordenação de Memória, o arquiteto e professor da Uniritter, tem uma longa trajetória na área da memória. Especialista em preservação do patrimônio, mestre em planejamento urbano e regional, doutor em gestão cultural, com especialização na Itália, mestrado na UFRGS e doutorado na Espanha, é funcionário do Instituto do Patrimônio Histórico-Artístico Nacional, onde também foi diretor de promoções, em Brasília, e representante do governo brasileiro junto ao Mercosul, na área do Patrimônio. Trabalha na área desde os anos 70, quando esteve envolvido com o tema das Missões. Cedido desde 2009 à PMPA, participou, junto com sua equipe, da concepção, elaboração e produção de textos dos produtos ligados à memória cultural e patrimonial, recentemente lançados.

 

Folders

 

Trata-se de uma série de seis folders de bolso, trazendo instituições que já fazem parte do patrimônio arquitetônico e cultural da cidade, com informações sobre a história, os estilos arquitetônicos, fotos e outras informações, além de desenhos ilustrativos de Joaquim da Fonseca. Bolcato anuncia para breve novos materiais, sobre o Centro Histórico e seus equipamentos culturais. E versão em inglês para todos.

 

Paço dos Açorianos

 

Construído para ser a sede da Intendência, teve a obra iniciada em 1898, sendo o Palácio inaugurado em 1901. Sede da prefeitura, foi tombado como patrimônio cultural do município em 1979 e teve o restauro concluído em 2003.

 

Chalé da Praça XV

 

Centro da boemia da capital nos anos 40 e 50, principalmente, foi construído em 1911. Abrigava inicialmente grande parte da colonização alemã em Porto Alegre, cultuadora do chope. Tombado pelo município em 1998.

 

Mercado Público

 

Um dos mais importantes patrimônios histórico do estado, principal centro de abastecimento popular da cidade, com 143 anos de existência, o Mercado foi tombado em 1979.

 

Arquivo Histórico de Porto Alegre Moysés Vellinho

 

Recebe esta denominação a partir de 1989, guardando o acervo arquivístico documental de Porto Alegre.

 

Casa Torelly

 

Atual sede da Secretaria Municipal de Cultura, edificação em estilo eclético, construída em 1899. Foi adquirida pela prefeitura e tombada em 1987.

 

Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo

 

O Solar foi construído na metade do século XIX. Adquirido pela prefeitura em 1979, ano em que passou a operar como Museu de Porto Alegre. Tombado pelo Conselho do Patrimônio Cultural.

Equipe – Design gráfico: Jorge Luís Portanova; fotos: Ricardo Stricher e Flavia Boni Licht – Fotos antigas: Acervo Museu de Porto Alegre

 

Livros

 

São livros de Memória Cultural destinados, basicamente, a funcionários municipais para preservação e limpeza de prédios e monumentos públicos. Ainda deverão sair outras publicações, informa Luiz Antonio, com o primeiro Código de Posturas de Porto Alegre e um sobre o IAPI, que é um bairro protegido, para os seus moradores, com direitos e deveres.

 

Paço dos Açorianos – Orientações para conservação

 

“O Paço não se estraga, é estragado”, diz o coordenador. Assim foi pensada esta publicação, voltada aos funcionários que trabalham no Paço, trazendo a rotina de manutenção, com orientações técnicas específicas.

 

 Conservação de Monumentos

 

Publicação com um conjunto de orientações básicas definidas para difundir os cuidados que devem ser adotados na limpeza de monumentos localizados em espaços abertos. O público principal a que se destina são os funcionários do DMLU, Departamento Municipal de Limpeza.

Equipe – Pesquisa: Rogério P. Dias de Oliveira, Veronica di Benedetti,; Organização Flavia Boni Licht e Luiz Antonio Bolcato Custódio (editor); Projeto Gráfico: Jorge Luís Portanova; Fotos: Flavia Boni Licht, Francielle Caetano, Luiz Antonio Bolcato Custódio e Ricardo Stricher

 

Dominó da memória

 

É o tradicional jogo, utilizando, em vez de números, imagens de Porto Alegre nas décadas de 1920/1930, com fotos de autor desconhecido. As cartas do jogo são acompanhadas por um folder contendo um glossário com termos técnicos, além de um conjunto de cinco cartas que trazem uma breve história dos locais retratados.

Equipe – concepção do Projeto: Flavia Boni LIcht e Luiz Antonio Felkl; Design Gráfico: Flavia Boni Licht, Jorge Portanova e Luiz Antonio Felkl; Textos: Flavia Boni Licht e Luiz Antonio Bolcato Custódio; Revisão: Baiard Brocker; Fotos: Acervo fotetoeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre, Coleção João P. Ribeiro Neto, Doação de Condessa Gisela Bastian P. Ribeiro

 

Paisagens de Porto Alegre – jogo da memória

 

Este lúdico e artístico jogo traz imagens das obras da Pinacoteca Aldo Locatelli, localizada no Paço Municipal e uma das mais importantes do Brasil. Com acervo de mais de mil obras de artistas locais, nacionais e estrangeiros, começou a ser montado no século XIX. O jogo apresenta 62 cartões coloridos, um cartão com instruções e um caderno com biografia dos artistas escolhidos.

Equipe – Luiz Antonio Felkl, Flavia Boni Licht, Flavio Krawczyk, Jorge Portanova, Baiard Brocker e Luiz Mariano Figueira da Silva; Design Gráfico: Andrei Beer Zebrowski; Fotografia Cylene Dallegrave e Leopoldo Plentz

 

Porto Alegre – Detalhes

 

Outro instigante jogo, desta vez com imagens e peculiaridades de diferentes edificações de épocas distintas, estilos e tipologias arquitetônicas da cidade. São detalhes de palácios, palacetes, edifícios, casarões e residências que no cotidiano passam despercebidas dos olhos.

Equipe – Concepção do Projeto: Flavia B. Licht; Design Gráfico: Luiz Antonio Felkl, Jorge Portanova, Andrei B. Zebrowski; Textos: Luiz A. Bolcato Custódio, Maturino Luiz, Flavia Boni Licht; Revisão: Baiard Brocker; Edição de Imagens: Luiz Antonio Felkl; Fotos: Cristine Rochol, Flavia B. Licht, Francielle Caetano, Fredy Vieira, Guilherme Santos, Ricardo Stricher, Samuel Maciel e Tarsila Pereira.

 

Foto: Emílio Chagas

COMENTÁRIOS