Novembro 2010

Banca da Cultura

 

Emilio Chagas *

 

A partir desta edição inicio esta coluna que tratará das chamadas artes: cinema, teatro, literatura, música, quadrinhos, memória, fotografia, eventos, e o que se relacionar com cultura – ou seja, tudo. E, também, da arte de viver.

 

 

Bebeto Alves em 3D – ou em milhares de dimensões

 

Desde que conheço o Bebeto (fui um dos seus lançadores, nos anos 70, com o grupo Utopia), ele sempre foi assim: intenso, irrequieto, indagador, criativo e cheio de energia. Depois de 23 discos, ele lançou neste ano nada menos do que três CDs juntos – um álbum duplo, gravado ao vivo no ano passado no Teatro de Arena, os Blackbagualnegovéio, com uma banda de altíssimo nível, registrando e ressaltando suas ricas e inovadoras sonoridades, onde dialoga com o rock, o pop, o regional, a bossa nova, a MPB e outros insondáveis territórios da sua imaginação. O outro álbum, registra seus trabalhos de trilhas sonoras para dança, cinema, teatro e TV. Em novembro ele iniciou uma tournée pelo interior para divulgar este seu mais recente trabalho, que culmina com três shows no Teatro do SESC, nos dias 25, 26 e 27 deste mês. Acompanha a caixa dos CDs uma publicação com depoimentos de músicos, jornalistas e produtores culturais sobre a vida e obra de Bebeto. Programe-se e vá ouvir o compositor mais importante e vanguardista do Rio Grande.

 

 

Oly Jr. – o criador da Milonga-Blues no Teatro Túlio Piva

 

Outro grande compositor gaúcho, que finalmente ganhou o reconhecimento da mídia local, Oly Jr. Ganhou tão somente três troféus no Prêmio Açorianos deste ano na categoria Blue/Jazz. Produzi os primeiros shows dele há 10 anos, exatamente o tempo que ele tem de carreira. Depois de trilhar pelo rock e o blues, Oly, com muita influência do próprio Bebeto Alves e de Vitor Ramil (precursores no resgate da milonga), Oly teve um lampejo genial de fundir a milonga com o blues, unindo o Delta do Mississipi com o Delta do Jacuí. O resultado é um trabalho de rara criatividade, reforçado por belas letras. O reconhecimento veio e pode ser conferido dia 23 de novembro no projeto República do Rock, no Teatro Túlio, junto com o blueseiro Fernando Noronha. O ingresso é 1 kg de alimento não perecível.

 

 

– Muita expectativa com o novo secretário estadual de Cultura, o escritor Luís Antônio Assis Brasil. Depois de oito anos de desmonte das políticas públicas de cultura, espera-se um novo impulso na gestão cultural. Prioridades do novo secretário: Instituto Estadual do Livro e nova sede da Ospa.

 

– Feira do Livro deste ano já nos primeiros dias bateu recordes de vendas. Talvez tenha contribuído para isto o tema da campanha publicitária, com um apelo mais comercial: A Maior Promoção da Leitura.

 

– Se passar pelo Naval, peça ao garçom Paulo um poema. Dependendo da situação, ele cria na hora. Se gostar, leve o livro dele também, “No Balcão do Naval”, junto com o jornalista Paulo Ricardo Moraes, o Baiano.

 

*Emílio Chagas é gestor cultural.

Contato com a coluna: chagas@jornaldomercadopoa.com.br

COMENTÁRIOS