Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo

Entre fotos, objetos de decoração, peças arqueológicas, mobília e indumentárias, o Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo preserva boa parte da história de Porto Alegre. Criado em 1979, o local conta com áreas de visitação e pesquisa, tendo como missão promover a interação da sociedade com o patrimônio cultural da cidade, com ênfase na sua história e memória, por meio da preservação, pesquisa e comunicação dos bens culturais sob sua guarda.

 

O lugar, que hoje conta grande parte da história da capital gaúcha, é, na verdade, um prédio centenário de estilo arquitetônico luso-brasileiro que teve uma longa trajetória antes de virar museu. Ainda na primeira metade do século XIX, o comerciante Lopo Gonçalves Bastos mandou construir uma casa de chácara para a sua família na antiga Rua da Margem, atual João Alfredo. Com o passar do tempo, o local foi habitado por diferentes moradores, até que, em 1979, o prédio do Solar Lopo Gonçalves foi tombado no livro do Tombo Histórico Municipal de Porto Alegre.

Em 13 de março de 1979, o Museu de Porto Alegre foi criado pelo Decreto nº 6.598, por iniciativa dos historiadores Nilo Ruschel e Walter Spalding, para reunir acervo histórico específico sobre a cidade. Em 1980, tiveram início as obras de restauração do Solar que, em 1982, foi inaugurado como sede do museu. Desde 1993, o local se denomina Museu Joaquim José Felizardo, em homenagem ao historiador e criador da Secretaria Municipal da Cultura.

O museu conta com um acervo tridimensional formado por mais de 1.300 objetos dos séculos XIX e XX, como acessórios de uso pessoal, objetos de decoração, instrumentos musicais, mobiliário e indumentária, entre outros. Além disso, há um acervo arqueológico com 200.000 itens relacionados a diferentes grupos que ocuparam o território desde o período pré-colonial. Já o acervo fotográfico possui cerca de 9.000 imagens de Porto Alegre dos séculos XIX e XX, com registros dos mais diferentes aspectos da cidade ao longo do tempo.

As visitas podem ser agendadas e o museu conta com guias especializados para público com deficiência e audioguia com leitura de texto e descrição das imagens, além de catálogo em braile e maquetes táteis.

Horário de visitação: das 9h às 12h e das 13h30 às 17h30.

Mais informações: (51) 3289 8275 | museu@smc.prefpoa.com.br

COMENTÁRIOS