Missa Crioula no Mercado

ESPIRITUALIDADE

 

Missa Crioula no Mercado

 

Celebrada pelo pároco Aldo José da Silveira, da diocese  de Santa Cruz do Sul e atualmente trabalhando em Cruzeiro do Sul, os clientes e o público do Mercado assistiram a primeira missa crioula nos seus 141 anos de existência.

“A missa foi criada pelo padre Paulo Aripe, em 1959, mais voltada para o campo, mas é a mesma missa católica, o que muda é a simbologia e os termos gauchescos”, explica o pároco. Por exemplo, Deus é chamado de Pai Celestial, o Menino Jesus de Divino Tropeiro Jesus e o Espírito Santo de Espírito Santo Vaqueano. E os fiéis, chamados de gaúchos, gaúchas, peões e prendas. Segundo o pároco Aldo José, o povo que está acostumado com CTG’s, piquetes e rodeios, se sente mais à vontade. “A gente sente que ele se sente melhor pela simbologia do campo”, diz ele. A chama crioula, representaria a vela, o Cristo que está iluminando.

Ivan Konig Veira, do Costelão do Mercado, informou que a  idéia surgiu, primeiro, porque o padre Aldo José é da família, e segundo pelas comemorações da Semana Farroupilha no Mercado. Para ele, o Mercado tem tradição de diversas religiões e está aberto a todas. Já Daniel da Silveira, sócio gerente da Banca 48, que conduziu a chama crioula e o lenço, símbolos gaúchos, achou muito importante o acontecimento e espera que ele possa se repetir nos próximos anos. Só espera que seja melhor divulgado para levar mais gente.

COMENTÁRIOS