Mercados medievais de Gdansk

Local onde o primeiro tiro da 2ª Guerra Mundial foi disparado, a antiga Dantzig alemã agora faz parte da Polônia.

Reconstruída após as batalhas que destruíram quase 95% da cidade, hoje, dia de festividades municipais, com os habitantes utilizando roupas dos tempos de fausto da idade medieval na parte histórica da cidade, encontramos as características essenciais dos antigos mercadores. Dantzig sempre foi porto exportador de trigo. A tradição polonesa se faz presente pelos pães apresentados: enormes, decorados, com formas diferentes e mesmo acompanhados de decoração especial; a primeira atração.

Pelas ruelas e esquinas, a comida popular: repolho e carne de porco são apresentados em imensas frigideiras. Molhos picantes, os picles em conserva, são os acessórios. O pão é o aliado, sempre presente. A cerveja também. É só escolher o tamanho da caneca. Enormes cartazes de ferro indicam os restaurantes mais famosos. Caravelas, javalis, canecas de bebidas, sinalizam os abrigos de velhos comerciantes e antigos marinheiros. Os pratos de caça são indicação. Apenas é necessário decifrar o que os antigos cardápios sugerem.

Na Feira Municipal, pelas ruas, bonecos gigantes ridicularizam o burgomestre e bispo da comuna. A crítica pelo riso é arma sem defesa. Os poloneses são mestres na resistência aos
nvasores. Barracas espalham-se por todos os lados. Além das quinquilharias tradicionais, as tralhas para as compras de impulso, os artigos e as jóias feitas com o âmbar — o ouro do Báltico — merecem atenção.

Pintores de todos os tipos, misturados à multidão, agregam cores necessárias para o retoque das belezas da cidade renascida do pó e dos destroços da 2ª Guerra Mundial. Gdansk abre os braços para consumidores de

todo o mundo.

COMENTÁRIOS