Mercados flutuantes da Cidade dos Anjos em Bangkok

Bangkok é mercado em cada esquina, em cada bairro, em todos os canais que cortam a cidade. Pavilhões são montados ao cair da tarde e desmontados após a madrugada. O entorno dos hotéis de luxo atrai todos os tipos de vendedores. Cortada pelo rio Phraya, o curso da água que vem lá do Laos, o comércio realizado pela manhã em Damnoen Saduak, não pode ser esquecido. É pecado mortal para o turista que aqui chega. Inclua-o, como essencial, no seu programa. Insista com o guia. Grite e esperneie.

Verduras, frutas, animais diversos, porcos, galinhas, tudo pode ser negociado entre clientes e fornecedores. Canoas, movidas a força de barcos, na maioria conduzida por mulheres, atracavam os canais. É multidão de faces, cores, aromas e confusões. Refeições são preparadas nos frágeis restaurantes flutuantes, cozinhas improvisadas: braseiros, fogões a gás, tudo é permitido. Caldos, espetinhos estranhos, grelhados, refeições todo tipo de acepipe é ofertado. Os chapéus de palha de arroz, forma cônica, adicionam aquele tempero à cena.

Como turistas somos abordados, não há lado livre, uma invasão de mãos, de braços estendidos oferecem o imaginável e mesmo o que não se pensou. Os dedos indicam os preços pedidos. Tantos dólares. Ficamos confusos. O caos se instala, se não houver precauções, a invasão total poderá afundar o nosso barco. Roupas, eletrodomésticos, relógios, óculos, todas as falsificações possíveis, são apresentadas como ofertas legítimas, apenas o preço mais acessível. É preciso cuidado com as marolas dos barcos maiores que passam sem dar a devida atenção.

Pela manhã, Bangkok é invadida por canoas, barcos e navios de todos os tipos e formas. O comércio fluvial é tradição. Mas, o melhor é não comprar, apenas tire as fotos, estas serão a melhor aquisição do dia.

COMENTÁRIOS