Mercados de San Marino, cidade-estado das Três Torres

Desde o século XII, sobre a rocha monumental da Emília Romagna, visível a quilômetros por quem vem de Veneza, a torre de sinalização era mencionada nos arautos. Surge com o tempo a cidade-estado, rival de Rimini e de Ravena. Fortaleza inexpugnável com suas três torres, ela sinaliza o aparecimento de uma potência medieval.

San Marino cresceu, muralhas ampliadas, fortes defensivos espalhando-se pelos vales e pelas terras férteis da região. Do alto, a visão, dominante, vai além da nossa imaginação. O mar Adriático aparece em dias de boa visibilidade.

De todas as cidades-estado da Itália, foi única sobrevivente. Oportunidade para voltar ao passado. Para revisar fatos e ditos. Hoje Estado Soberano, com governo próprio e legislação única, possui sistema tributário bem diferente da Itália. Os impostos são menores, conglomerados de bancos procuram proteção. Com impostos menores, o custo de vida é mais adequado ao

turista. Gasta-se menos euros para estadia em excelentes hotéis. Extensão reduzida, 61 km², e população de 33.000 habitantes, é ponto obrigatório de quem vem de Perugia ou de Assis ou mesmo de Ravena.

No verão, das praias do Adriático, milhares de turistas, bronzeados no limite, invadem San Marino e alcançam o Burgo Medieval, o local do nosso objetivo. A área central é destinada aos pedestres, onde iremos encontrar as principais lojas. Como San Marino é porto livre, a possibilidade de compras é infinita. Para os fanáticos, 14 museus estão abertos. Visitas ao antigo castelo, além do panorama, permitem recuperar fatos do passado, quando a fortaleza era usada como prisão. Exposição dos métodos de interrogatórios, dos aparelhos de tortura e do que era permitido para extrair a verdade do dia faz parte do acervo.

Restaurantes aparecem por todos os lados, oportunidade de experimentar os vinhos da Emília Romagna, como o Lambrusco di Sorbara ou o Colli de Parma. Momento de exigir sacrifícios do cartão de crédito. Merecemos.

Além de roupas, de acessórios para cama e mesa, os perfumes, as velas fabricadas no local, são obras de arte. Acendendo a vela no escuro, o que é recomendado pelo fabricante, desenhos e imagens surgem para surpreender nosso espírito e imaginação.

É possível também comprar óculos de grife ou imitações de famosos, cerâmicas típicas, porcelanas com filete dourado, miniaturas, armas em réplicas, imitações perfeitas das reais. Relógios, produção local, modelos diferentes dos usuais fabricados na Suíça, são tentações pelos preços e originalidade.

San Marino, a última cidade-estado da Itália, está louca para revelar os seus segredos.  Não resista.

COMENTÁRIOS