Mercado, um mundo de frutas secas

Mercado, um mundo de frutas secas

 

Elaboradas para durar mais que as frutas frescas, elas conservam os mesmos nutrientes, embora concentrem mais calorias. São ótimas fontes de energia, vitaminas e minerais. Antes, eram mais consumidas nas festas de fim de ano, mas aos poucos foram entrando no cardápio – seja no café, granola com café, no lanche, sobremesas, ou até em pratos principais, como salada, arroz e carnes. É um alimento saudável, 100% natural e, o melhor, sem adição de açúcares e conservantes. Aqui, um pequeno roteiro de onde encontrá-las no Mercado. 

 

Armazém 155

 

Além das frutas secas, como passas de uvas, ameixas e damasco, que têm muita saída em dezembro, o 155 é muito procurado para os que querem fazer panetone, tendo todos os complementos para o seu preparo – formas, essência, e gotinhas de chocolate para um panetone completo.

 

Banca 26

 

Fruta seca é o que não falta nesta banca. Tanto que o proprietário, Ademir Sauer, afirma que é o seu principal produto. Tem praticamente todas as que existem, tanto nacionais como importadas. Um novo costume, que ele vem observando entre as pessoas, é o lanche com frutas secas, para Ademir, muito mais saudável e natural, sem conservantes. Atribui o alto consumo à constante divulgação na mídia.

 

Banca 43

 

Tradicional banca de especiarias, a 43 tem nas frutas secas uma grande parte das suas vendas. E, nessa época, a procura é grande em função do verão e das dietas, chegando a dobrar as vendas. Observa Jéfferson Sauer, que a cada ano o consumo delas vem aumentando entre as classes B e C, que aumentaram seu poder aquisitivo e estão entrando forte no mercado. Como nas outras bancas, nozes, castanhas e ameixas lideram as vendas.

 

Banca Central

 

No coração do Mercado, a banca tem como campeãs de vendas passas de uva branca e preta, ameixas com caroço e sem caroço, banana passas, tâmara e damascos. “Teve muita propaganda na mídia, relacionando à saúde. Ameixa seca, por exemplo, é boa para repor a perda da massa óssea, depois de uma certa idade, 10 delas por dia é o ideal”, diz DiLorenzo, um dos sócios.  Ele lembra que, no fim de ano, elas também são muito procuradas por quem gosta de arroz à grega.

 

Banca do Holandês

 

A Banca vende frutas secas muito bem o ano inteiro, principalmente ameixas. E, como nas outras bancas, no fim do ano aumenta suas vendas. Destaques para as nozes pecan e chilena e damasco. A procura é tanto para fazer panetones, como para montar as ceias de Natal. O consumo durante o ano é feito em menores quantidades. Já no fim do ano, o volume aumenta consideravelmente. “É um fruto natural, não tem açúcar, só o da fruta mesmo”, diz Paulo Cesar Boeira, funcionário.

 

Comercial Martini

 

“A banca tem todas as frutas secas que possam ser incluídas em chocolate”, diz Adriana Kauer, a dona. Além delas, avelãs, castanha de caju, do pará, frutas cristalizadas – todas aquelas que podem virar recheio de chocolate são encontráveis na Martini. A maioria dos clientes procura a banca em função dos produtos de confeitaria, mas tem cliente que busca ingredientes para outros objetivos, como panetone, por exemplo. Adriana informa que a venda é a granel, “bem democrática”, e as frutas são bem conservadas, dentro da orientação do PAS, Programa Alimento Seguro.

 

Empório 38

 

Em pouco tempo o Empório 38 já se afirmou como banca de especiarias e bebidas. E com muitas frutas secas que, como nas outras bancas, aumentam suas vendas nesta época do ano. Tâmaras-jumbo, ameixas medalhão, castanha do pará e castanha de caju, passas, frutas cristalizadas e ameixa com casca lideram as vendas. Tanto para receitas salgadas, como para doces, como stollen recheado de frutas secas, uma receita muito comum entre os descendentes de alemães, que no estado são muitos.

 

Gueno

 

Banca muito procurada nessa época por aqueles que fazem panetone em casa, para consumo próprio ou para vender. Passas pretas e brancas disparam nas vendas a partir de agora, até o fim de dezembro. Já as outras frutas secas são muito procuradas para fazer pratos das ceias natalinas, como arroz à grega, indispensável nas festas de fim de ano.

 

Macrobiótica Sauer

 

Uma das principais bancas de produtos naturais, a Sauer vende bem o ano todo. Paulo Sauer, o dono, diz que é muito boa a aceitação, e a venda muito prática, pois os produtos são fáceis de conservar em casa por mais tempo. “Cada uma tem bastante concentração de vitaminas e elevado grau de potássio”, motivos de muita procura. Ameixa, damasco, castanhas (muito consumidas, por causa do selênio e zinco) e tâmaras são as mais procuradas. Dezembro é o pico das vendas e o público, informa Sauer, é mais seletivo, preocupado com a saúde.

 

Armazém do Mercado

 

Característica pelas suas vendas a granel, a banca vende bem maçã seca, ameixa, com e sem caroço, banana, uva passa, preta e branca, damasco, tâmara, castanhas, nozes, amêndoas e avelãs. Os produtos são usados para fazer chá, bombons e para comer individualmente, como aperitivo. Já entre as vendas em embalagens, destaca-se origone (pêssego seco), usado para incrementar pratos salgados, e também junto com o sagu.

 

 

Fotos: Letícia Garcia

COMENTÁRIOS