Mercado Público, na torcida pelos benefícios

O Mercado e a Copa

 

Mercado Público, na torcida pelos benefícios

 

Até 2014 a cidade vai passar por profundas transformações, em função da Copa do Mundo, quando ela será uma das sedes, com os jogos no Estádio Beira-Rio. Mas o e Mercado Público, o que está sendo pensado para ele, que é o principal centro de abastecimento e um dos patrimônios culturais-arquitetônicos de Porto Alegre? Para levantar estas e outras questões, os editores do Jornal do Mercado ouviram o responsável pela Secretaria Extraordinária da Copa, o vice-prefeito José Fortunati.

 

Estacionamento subterrâneo ou no Cais Mauá?

“O Mercado Público é, sem dúvida nenhuma, um dos principais cartões postais da cidade. É Impossível que se pense na vinda de turistas a Porto Alegre sem que se estabeleça imediatamente uma relação com o Mercado. É um ponto de referência para a venda de produtos extremamente  importante para a cidade e que pode muito bem dar um aporte durante a Copa para os turistas que virão”, inicia o vice-prefeito. Porém, para ele é preciso resolver “algumas velhas questões”, como expressou. Uma delas, e a principal, é o estacionamento, maior problema do Mercado, com certeza. Informa  Fortunati: “Há uma expectativa em relação à qualificação com o Cais Mauá, quando poderão se abrir quatro mil vagas de estacionamento no Cais do Porto. Se isto acontecer – o projeto ainda não foi para a Câmara de Vereadores, está em análise, há uma possibilidade muito forte. Temos que ver como isto acontece, talvez uma passagem subterrânea entre o Cais e o Mercado. Também não está descartada, o estacionamento subterrâneo. Conversei nesta semana com a empresa que construiu o Ninho do Pássaro e o Cubo de Água, na China, e eles mostraram muito interesse”. O Secretário também informa que recebeu delegações do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Mundial, que estão diretamente interessados nos projetos da Copa de 14 em Porto Alegre. Eles sinalizaram boas possibilidades para o financiamento de parcerias-público-privadas para um estacionamento, por exemplo.

 

Qualificação e revitalização do Mercado para a Copa

Fortunati também informa que esteve reunido com Idenir Cechin,secretário da SMIC e com o arquiteto Glenio Bohrer, do Planejamento, onde “foi colocada a questão Mercado Público como fundamental para 2014”. Diz que as duas secretarias ficaram de pensar projetos de como qualificar o Mercado visando o mega evento. “Ainda no segundo semestre queremos voltar a nos reunir para que a gente possa avançar, formatar e, se for necessário, buscar recursos. Temos também que buscar a qualificação de quem trabalha no Mercado. O atendimento é muito bom, mas temos que avançar, capacitar os atendentes, preparando-os para até 2014 já tenham uma noção de espanhol e inglês”, avalia Fortunati. Ele informa que para isso já se reuniram com a Força Sindical e com o Ministro do Trabalho, Carlos Lupi, não só para o Mercado, mas para o comércio, Brigada Militar, guarda-municipal, rede hoteleira, etc. Quanto aos banheiros, ele considera a questão “crucial”, não só no Mercado, mas em todo o centro da cidade – problema, segundo ele, já detectado. Assegura que o assunto “será parte das reflexões que faremos”.

 

A estação Metrô, ao lado do Mercado

Outra boa notícia para o Mercado e os seus milhares de freqüentadores é a Estação de Metrô, que sairia da praça da estação do Trensurb, rumo ao Beira-Rio, passando subterraneamente pela Avenida Borges de Medeiros. Segundo Fortunati, o grande diferencial do metrô de Porto Alegre é a sua estrutura. Serão estações pequenas, diferente das existentes, de grandes extensões, com lojas, etc, que encarecem o projeto. Os técnicos chegaram a conclusão de que o sistema mais barato é construindo o metrô  mais próximo da superfície, com estações subterrâneas pequenas. O embarque e desembarque, assim como a bilhetagem serão na superfície da terra. O metrô, porém, está com seu projeto pronto, enquanto que, para o estacionamento ainda não há nenhuma perspectiva concreta. “Estamos muito cautelosos em relação a isto, em todos os momentos tenho apresentando a questão do estacionamento. Mas com o começo das obras naturalmente a questão vai vir à tona e aparecerão interessados”, diz Fortunati, informando ser impressionante o número de empresas que estão “descendo” em Porto Alegre para oferecer os seus préstimos. “Alguém imaginaria um dia que uma mega empresa, como a que construiu o Ninho do Pássaro e o Cubo de Água, viria a Porto Alegre? Pois seu vice-presidente, um inglês, esteve em meu gabinete. Com a escolha da cidade as possibilidades que se abrem hoje são fantásticas”, diz ele.

 

Reflexos da revitalização do Cais Mauá no Mercado

Além do metrô, outra obra importante que trará benefícios para o centro da cidade e o Mercado, consequentemente, é a revitalização do Cais Mauá. A obra, que será executada pela empresa do urbanista e ex-prefeito de Curitiba, Jaime Lerner, conhecido pelas inovações que modernizaram a capital paranaense, deverá conservar os galpões que serão transformados em área de gastronomia, lazer, cultura e entreternimento. Ali estão previstas quatro mil vagas para usuários, moradores do Centro e uma área que poderá ser reservada aos freqüentadores do Mercado. Fortunati também informa que grande parte deverá se concentrar próximo à Rodoviária, o que vai qualificar toda a região e beneficiar o Mercado. Quanto ao Muro da Mauá, o vice-prefeito informa que existem estudos para rebaixá-lo de 3m para 1.5m de altura. O Muro, na verdade, faz parte de um sistema de proteção contra a cheia, que vai do Beira-Rio até o zona norte. “Estou convencido que o muro não é o grande problema. Tivemos lá a Feira do Livro, do artesanato, o Fórum Social Mundial. O problema não é o muro e sim a forma de ocupação inadequada do próprio do Cais”, diz Fortunati.

 

Portais da Cidade: na rota do Mercado

Quanto aos Portais, a novidade é que a proposta é dinamizar o atual Centro Popular de Compras (o Camelódromo), que hoje na avaliação de Fortunati já é uma espécie de portal entre aspas. Informa que a secretaria de Gestão estuda uma forma de transformá-lo em um portal, redistribuindo milhares de pessoas que chegam ao centro. A idéia é que hajam micro-ônibus, alguns deles, inclusive com destino ao Mercado. O secretário também está otimista em relação aos prazos, uma vez que a Prefeitura de Porto Alegre saiu na frente com a criação do Comitê Gestor da Copa. “Olhamos o futuro e apostamos que a cidade seria escolhida. Hoje os principais projetos ou estão prontos ou estão em execução. É um mega evento. O cavalo está passando encilhado, esta expressão gaúcha é o que melhor representa este momento. Vai ser um bom negócio para todos, para a geração de emprego e renda, para qualificação e o desenvolvimento da cidade”, finaliza ele.

COMENTÁRIOS