Mercado Central de Mendoza

Prédio pequeno, incrustado entre lojas e edifícios, está escondido dos passeantes descuidados. São mais de 125 anos de serviços à população de Mendonza; nas bancas e prateleiras surgem as características dessa região semiárida.

Na entrada constatamos uma característica local. Os bifes a milanesa surgem em profusão nos balcões frigoríficos. Podem ser de frango, de mondongo, de soja para os vegetarianos, e até da carne tradicional. Outras, enroladas, estão recheadas com presuntos, com queijos diversos e combinações. Devido à influência dos imigrantes da região do Mediterrâneo, os pernis de presunto cozido estão dependurados como decoração. As peças ofertadas, em rebaixas, não chegavam a 100 Reais. Mais de quatro quilos de estímulo para aquela refeição.

Para os apreciadores da boa mesa, além do azeite extravirgem, pastas de azeitonas estavam pedindo auxílio e implorando degustação. Podíamos escolher à vontade: as negras, já maduras, as verdes, as recheadas. Os produtos elaborados, as hortaliças em conservas não ficam atrás: pasta de berinjela, folhas de parreira, pepinos, aspargos, picles. Geléias feitas com pectina de frutas agregam os aromas dos vinhos locais como o Malbec e o Torrontês. Pétalas de rosas são adicionadas a mais tentações. Doces surgem com as cerejas em destaque, o zapallo em almibar, a alcayota e outras frutas típicas da região. A irrigação transformou o deserto da região mendoncina. Um exemplo a ser seguido por terras mais agraciadas em precipitações pluviométricas. Devido à influência indígena, os picantes não faltam. Em natura, em pós, todas as cores, os calores, os sabores e as possibilidades estão disponíveis. Não faltam atores para estimular a nossa imaginação e incentivar palavras e gastronomia.

Restaurantes típicos, como sempre, estão disponíveis para provas e experimentações. A empanada é prato típico da região de Cuyo. São menores do que as chilenas, onde as azeitonas predominam. Podemos escolher o conteúdo, o recheio, o sabor adicional: carne, frango, queijo. Cada província acrescenta a sua dose de pimenta, dando aquele calor, o tom picante, o que diferencia a empanada de Mendoza, da de Salta e mesmo de La Rioja.

Agora no Mercado Municipal de Mendoza, temos a oportunidades para degustar, experimentar a variante local. Em vez da carne, uma massa de peixe, faz o contraste. As possibilidades incluem o salmão, o atum e o congrio. Combinações com o espinafre e cogumelos são alternativas vegetarianas. Nossa escolha pelo congrio foi interessante. O matrimônio com a cerveja local, melhor ainda. A noite, repetimos a experiência apenas na combinação, o Tempranillo bem gelado foi outra sabia decisão.

Para futuros canapés, reafirmando velhas amizades, pasta de azeitonas serão delicias para relembrar Mendoza, seu povo e seus vinhos. É bom fugir do tradicional bife de chorizo.Os doces feitos com lima, pouco açúcar, textura gelatinosa, paladar agradável, completam a refeição. Pobre balança. Os Andes são parte da paisagem. A irrigação é essencial à vida de Mendoza. Os vinhedos tentam encontrar os picos de neve.

COMENTÁRIOS