Mercado Antigo

Alemães tomadores de chope

A influência alemã sempre foi muito forte no Rio Grande do Sul e em Porto Alegre não foi diferente. Por volta do século XX, o Restaurante Gambrinus e o Bar Chopp Naval foram dois dos percursores do hábito do chope, que reunia alemães no Mercado.

 

Alemães tomadores de chope - Jornal do Mercado

 

Apesar de ser conhecido pela forte presença portuguesa, as raízes germânicas do Mercado estão desde o seu projeto de construção, em 1869, elaborado pelo arquiteto alemão Friedrich Heydtmann. Em meados de 1889, essa referência se tornou mais forte. Nesse mesmo ano, um grupo de imigrantes alemães fundou o tradicional Restaurante Gambrinus e, junto do seu famoso chope, o local passou a receber cada vez mais imigrantes.

Nessa mesma linha, em 1907, o Bar Chopp Naval abriu suas portas e passou a receber um grande público de alemães, que já na época eram famosos por serem apreciadores e especialistas quando o assunto era chope e cerveja. Tal influência foi tão forte que, alguns anos mais tarde, dois proprietários alemães passaram pela administração do Naval.

Os famosos tomadores de chope se reuniam nestes dois locais do Mercado, principalmente, mas também no Chalé da Praça XV para beber cervejas de trigo, fumar charutos e confraternizar.

A maioria dos alemães recém-chegados ia logo se estabelecendo pela cidade, principalmente no Bairro Floresta, e vinham pela Rua Voluntários da Pátria para visitar o Centro. Além do gosto por festas, os germanos ainda faziam campeonatos entre eles. O objetivo era bem simples: ver quem bebia mais. Então iam empilhando as bolachas de chope até alcançarem o queixo. Só encerrava quando colocavam as bolachas em cima dos copos.

Aos poucos, o grupo foi se transformando em uma confraria, porém com o passar do tempo foram deixando de frequentar os bares devido ao público que ia se diversificando. Todas essas reuniões e encontros contribuíram na construção do cenário boêmio de Porto Alegre, o que acabou transformando os restaurantes em pontos marcantes de história regional.

COMENTÁRIOS