Mais uma vez, recomeçar

ESPECIAL DE NATAL, Fim de Ano

 

A celebração do evento é também chamada réveillon, termo oriundo do verbo réveiller, francês, que em portugues significa “despertar”. A véspera de ano-novo refere-se ao dia 31 de dezembro, precedente ao Dia de Ano-Novo, nos países que seguem o calendário gregoriano.

Por mais diferentes que sejam as culturas, sempre se comemora a passagem do ano como um ritual festivo de representação do início de um novo ciclo de vida, novos acontecimentos, transformações e simbologia de renascimento. Acredita-se que as primeiras comemorações tiveram início há cerca de 2 mil anos antes da era cristã, quando os antigos babilônios festejavam o recomeço do ciclo anual. Foram os romanos que, em 1582, determinaram a mudança da data de 23 de março para o dia 1° de janeiro, período no qual as nações cristãs adotaram ao calendário criado pelo Papa Gregório VIII. Com o passar do tempo, o calendário gregoriano tornou-se quase universal e foi introduzido em países como a França, Itália, Espanha e Portugal. Foi só em 1885, na França, que se criou a palavra hoje popularizada “Reveillon”.
Comidinhas que dão sorte
Lentilhas: uma colher de sopa é suficiente prá assegurar um ano inteiro de muita fatura à mesa, dizem. A origem desta supertição é italiana, trazida para o Brasil pelos imigrantes.
Romãs: para atrair dinheiro, coma sete partes, guardando as sementes na carteira..
Carne de porco: deve ser o prato principal da ceia, servida à meia-noite. Como o porco fuça pra frente, acredita-se que isso faz com as pessoas também sigam em frente, com novos caminhos. Já o peru, que cisca para trás, significa retrocesso.
Nozes, avelãs, castanhas e tâmaras: trazidas para cá pelos imigrantes de origem árabe, são recomendadas para garantir fartura.

A moda muda pra dar sorte
Roupa branca: hábito relativamente recente, trazido para o Brasil com a popularização das religiões africanas, representando luz e pureza.
Calcinha ou cueca novas: Dão sorte no amor. Qualquer peça amarela: a cor representa o ouro e, dizem, atrai dinheiro.

A meia noite depois dos abraços
Pular só com o pé direito. Você estará atraindo boas coisas para a sua vida, pois, segundo a Bíblia, tudo que está à direita é bom.
Jogar moedas, da rua para dentro de casa (se você mora no térreo, por favor). Dizem que atrai riqueza para todos que moram no lugar.
Dar três pulinhos, com uma taça de champanhe na mão, sem derramar uma gota. Depois, jogar todo o champanhe para trás, de uma vez só, sem olhar. Você deixa para trás tudo de ruim.
Subir num degrau numa cadeira, enfim, em qualquer coisa num nível mais alto. Diz o folclore que isso dá impulso a sua vontade de subir na vida. Comece, é claro, com o pé direito.
Fazer barulho: é uma forma de afugentar os maus espíritos que os povos antigos praticavam. Vale apito, batucada, bater panelas, desde que seja exatamente à meia-noite. Dizem que não há mal que resista.
Acender velas na praia ou jogar rosas nos espelhos de água, em intenção de Iemanjá. A deusa africana protege seus fiéis, com saúde, amor e dinheiro o ano todo, dia o candomblé. Há ainda o belo costume de receber o Ano Novo com fogos de artifícios, sinos tocando e muita música, tudo à meia-noite. Enfim os desejos, pedidos, simpatias e sonhos sonhados.

 

SUPERSTIÇÕES

• Não é bom passar o Ano Novo com os bolsos vazios
• Comer doze uvas verdes, à meia-noite do Ano Novo, para ter dinheiro em todos os meses do ano, também é bom
• Guardar em lugar seguro, para ninguém achar, a tampa da garrafa de “champangne” usada na festa de Ano Novo, que tenha feito muito barulho, chama dinheiro
• Defumar a casa, no fim do Ano e véspera do Ano Novo, com um defumador feito com carvão, xerém e açúcar, além de chamar a sorte e dinheiro, tira, também, o azar do ano velho
• No dia de Reis (6 de janeiro), colocar três caroços de romã  dentro da carteira, para ter dinheiro durante o Ano Novo.

COMENTÁRIOS