Grupos Lebes, apostando no Centro Histórico

CENTRO HISTÓRICO, por Emílio Chagas

 

O Centro Histórico, apesar de vários projetos para sua revitalização – orla, Cais do Porto (parado), Programa Monumenta, que restaurou prédios e espaços importantes, como a Praça da Alfândega –, vem se deteriorando, com o abandono da região e o aumento sistemático do comércio irregular. Assim, muitas pessoas se afastam dele e lojas migram para outros bairros e shoppings. A Lebes fez um movimento inverso ao se instalar na região, no antigo prédio das lojas Guaspari. O grupo pretende servir de inspiração para que outras empresas façam o mesmo.

Segundo o presidente do grupo, Otelmo Drebes, o centro de Porto Alegre é o centro do estado, por onde circulam pessoas de todos os bairros da cidade e também de outros municípios. “Passam diariamente nessa região cerca de 200 mil pessoas, e a Lebes queria estar perto desse público, presente onde as coisas acontecem e atender a um pedido dos clientes, que sentiam falta de uma filial nessa área”, afirma. Depois de diversas pesquisas, qualitativa e quantitativa, ouvindo com atenção a população da região, quais as suas necessidades e desejos, foi tomada a decisão de vir para o Centro Histórico, sendo montado o projeto da Lebes Life Store.

“Resolvemos, então, vir, investir na revitalização do prédio histórico, promovendo melhorias para essa área da cidade e para a população, além de resgatar um antigo ponto comercial de Porto Alegre.  Nossa chegada trouxe mais segurança para quem circula por aqui e várias operações, como loja, café, restaurante e farmácia. Estamos felizes de ajudar a resgatar uma parte do Centro tão especial para os gaúchos.” Segundo ele, os setores de marketing, CRM e inteligência da loja estão sempre pensando em estratégias para se conectar com o público do entorno, criando mais vínculos, como os clientes que nele circulam.

O prédio: fachada preservando a original

O presidente revela que a procedência dos clientes é bem variada – muitos são moradores do Centro, outros residem em diferentes bairros e trabalham na região. Para Otelmo, o maior atrativo do Centro Histórico é o enorme movimento de pessoas circulando diariamente. “Essa região concentra diversos bancos, órgãos estatais, municipais e federais e lojas, além do Mercado Público, um dos pontos mais queridos dos gaúchos.” Como os principais problemas, aponta a segurança, as dificuldades de acesso à região (engarrafamentos) e a falta de estacionamentos.

Em relação ao prédio, completamente reformado, diz que a ideia sempre foi de manter a fachada original do prédio histórico. Para isso, foi contratado o arquiteto Evandro Eifler, especialista em Patrimônio Histórico-Cultural. Internamente, o prédio foi totalmente modernizado, ganhou novos elevadores, escada-rolante e um café com vista para o Guaíba no rooftop. Uma face toda envidraçada e a parede verde trazem um pouco de modernidade também para o exterior da Lebes Life Store.

O grupo e sua estrutura

Fundado em 1956 na cidade de São Jerônimo, interior do RS, por Otélio Drebes, o grupo de lojas Lebes tornou-se uma das maiores redes varejistas do estado. Com 61 anos de atuação, a empresa familiar está presente em mais de 100 municípios, possui 150 lojas no Rio Grande do Sul e Santa Catarina, contando com aproximadamente um milhão de clientes ativos e cerca de três mil funcionários. Na unidade do CH, são cerca de 200 empregos diretos e indiretos. Otelmo Drebes assumiu o comando do grupo em 2015. O faturamento em 2016 foi mais de R$1 bilhão.

O começo foi vendendo gêneros alimentícios e, ao longo do tempo, cresceu e se solidificou, ampliando a sua área de atuação. Hoje, disponibiliza um variado mix de produtos de moda, móveis, eletrodomésticos, eletroeletrônicos, entre outros. Também atua com indústria de confecção, produzindo mais de um milhão de peças por ano, comercializadas exclusivamente nas lojas da rede.

 

Fotos: Wilian Soares e Renan Costantin 

COMENTÁRIOS