Feira do Peixe supera expectativas

Mesmo sem recursos públicos e com o número de bancas de pescado reduzido em comparação ao ano anterior, a 238ª Feira do Peixe chegou ao final com números positivos. O público aproveitou os preços que chegaram a até 30% de desconto.

 

Aberta ao público de 26 a 30 de março, a feira no Largo Glênio Peres contou com 54 bancas de pescado, uma banca de peixes vivos e quatro bancas de alimentação. De acordo com os números divulgados pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE), que considera, também, as vendas do evento ocorrido nos bairros Restinga e Belém Novo, foram comercializadas 402 toneladas de peixe para mais de 680 mil pessoas. O balanço é considerado positivo, por conta da diminuição do número de bancas e na ausência de recursos públicos.

Em 2017, foram 70 bancas e 407 toneladas de pescados vendidos. Neste ano, os peixes mais procurados foram a tainha, a corvina e o pintado. Nas bancas, o quilo da tainha foi vendido por R$ 12 e o filé de merluza, a R$ 18. Quem deixou para a última hora encontrou várias promoções, com descontos superiores a 30%. Estiveram envolvidas diretamente com a feira mais de 250 famílias de pescadores profissionais artesanais das Ilhas do Delta, de Belém Novo e do Lami, organizadas em torno das Colônias de Pescadores Z-5 e da Associação dos Pescadores e Piscicultores do Extremo Sul (Appesul).

COMENTÁRIOS