Feira de Stables, Londres e os seus canais

Um pouco afastado da City, local pouco conhecido por turistas que ficam pouco tempo em Londres, o distrito do Regent’s Canal, com os seus canais e comportas, surpreende por dois dos seus mercados.

 MERCADOS DO MUNDO, por Felipe Daiello

Nos séculos XVIII, XIX e início do XX, o desenvolvimento do comércio e da indústria na Grã-Bretanha deu-se, em parte, pela circulação de barcaças através de rios, canais e represas implantadas ao longo de toda a ilha. A mão de obra irlandesa foi fundamental nas construções. Milhares de quilômetros de vias fluviais ainda são utilizados, o que permite conhecer toda a Inglaterra, de modo lento, mas constante, usando barcaças de fundo chato.

Nosso passeio começa em Little Venice, ponto de partida do barco de turismo que proporciona um retorno aos tempos antigos de Londres. No percurso até as comportas de Camden, passamos pelo zoológico, por mansões vitorianas e belas paisagens. As barcaças que transportavam mercadorias até os embarcadouros junto ao Rio Tâmisa eram puxadas por cavalos.

Até o final da Segunda Guerra Mundial, estábulos para 420 cavalos, a força motriz indispensável para o funcionamento do sistema, eram encontrados em Camden. Tratadores, veterinários, ferreiros, fabricantes de arreios e de acessórios e artesãos de couro constituíam a força de trabalho necessária para manter o fluxo do comércio.

Hoje, apenas esculturas em bronze de cavalos, dos tratadores e das pessoas de apoio, em tamanho natural, recordam o passado de riquezas e de glórias. Os estábulos, após recondicionamento e adaptações, deram lugar a estandes de vendas e pequenas lojas adaptadas à arquitetura de uma baia.

Daí a denominação de Stables Market. No entorno das represas, restaurantes de todos os tipos, durante o dia, fornecem refeições para turistas, mas, à noite, são locais para festas com música ao vivo e gastronomia de melhor qualidade.

Seguindo as tradições, mercadorias no couro predominam, trabalhos artesanais, bolsas, cintos e botas estão na primeira linha das ofertas. Todos os tipos de couros estão presentes, desde o dos camelos, da pelica das cabras, de jacarés e mesmo de cobras.

Casacos estilizados de couro para motociclistas, hippies e pessoas em geral, decorados ou não com placas metálicas, com tachas e botões brilhando no escuro. Botas militares ou modelos para mulheres de pernas finas e elegantes ocupam prateleiras e vitrines. Encomendas especiais são aceitas com relação a cores, altura da perna, tipo de couro e design.

Calças coloridas, xadrezes com todas as barras, verticais ou horizontais. Brocados com brilhos além da imaginação, camisetas esportivas estampadas conforme o desejo do cliente. Algumas com dizeres não muito adequados para quem não é fluente no inglês ou para comprador descuidado: “I am a gay”” — backward. “ Are you gay?” — forward. “Fuck me.”

Para darks e hippies modernos, roupas negras têm as suas vitrines e expositores. Roupas sexy, estilos estranhos e diferente estão ao lado de negligees transparentes, no roxo atrevido ou no preto básico. A cor vermelha não fica ausente.

Adereços para cabelos, perucas, apliques e maquiagens possibilitam mudar a personalidade de qualquer cristão. Unhas artificiais com todas as cores possíveis ou impossíveis do arco-íris complementam a mudança.

Alterar a cor dos olhos, colocando o vermelho do inferno, o amarelo associado ao lobisomem ou azul infinito do cosmos é possível a baixo custo. Maquiagens e batons acompanham a balada. Para bailes à fantasia, não há melhor local para começar a preparação. Londres é cidade onde todas as vestimentas, os gostos e as bizarrices têm a sua vitrine e os seus fanáticos admiradores.

Cartazes, pôsteres, quadros com cenas de cavalos e pequenas réplicas são alternativas para os que adoram as artes equestres: bolsas, carteiras e mochilas podem vir com estampas dos filhos dos ventos, os elegantes cavalos. Depois, vamos seguir para o mercado de Camden e os seus reclames gigantes.

Fotos: Felipe Daiello

COMENTÁRIOS