Feira de Antiguidades, há 10 anos no Mercado

Há mais de uma década, o evento acontece no Mercado uma vez a cada mês e é sempre um atrativo à parte para os visitantes.

 

A 1ª edição da Feira de Antiguidades aconteceu no dia 3 de outubro de 2009 como parte da programação de aniversário dos 140 anos do Mercado Público. Na época sob a organização do antiquarista Marcelo Fabian Gonzalez, foi realizada uma exposição temporária de artefatos antigos, bem como diversas apresentações culturais. O evento teve imediata aceitação popular e, desde então, acontece regularmente a cada mês.

“Quando me foi pedido para fazer um evento para os 140 anos do Mercado, automaticamente vieram à minha mente o mercado público de San Telmo, em Buenos Aires, onde funciona uma feira de antiguidades permanente, e o mercado Del Puerto, em Montevidéu, pela arquitetura do prédio e pelo amor que os porto-alegrenses tem pela cultura. A ideia deu tão certo que o pessoal começou a perguntar quando seria a próxima”, lembra Marcelo.

Foto: Fabiane Pereira

Atualmente, a feira conta com 16 expositores, cada um voltado para um tipo de colecionismo, entre eles militaria, futebol, joias e bijuteria retrô, relógios, óculos, etc. “Todos os expositores desses produtos têm profundo conhecimento sobre as peças com as quais trabalham.” Também é possível encontrar outras antiguidades em cristais, porcelana, luminária e brinquedos. “Hoje em dia a procura é grande por itens colecionáveis, como latas, placas, moedas, documentos, etc. O último expositor a se unir a nosso time foi o de games antigos, coisa que está na moda e muita gente procura”, diz.

 

Relação com o Mercado

A feira já participou de eventos em cidades como Passo Fundo e Esteio. De todo modo, Marcelo diz que preferem concentrar e manter o evento no Mercado. “Nós vemos os avós mostrando para os netos as peças que eles tinham e contando histórias sobre elas.

Foto: Fabiane Pereira

Isso nos incentiva muito, pois vemos a conversa e aproximação das gerações através de um objeto.” Originalmente, era realizada no Espaço de Eventos, mas, desde o incêndio de 2013, foi realocada para um espaço menor, o que dificultou a realização de eventos paralelos, como feiras de livros, exposições de arte, etc.

“Esperamos em breve poder usufruir novamente do Espaço de Eventos e, caso isso não aconteça, seria interessante fazer ela quinzenal, já que vem muita gente cidades do interior para o evento”, relata. Em 2013, a feira foi oficializada por lei e entrou para o calendário de eventos de Porto Alegre. A questão da privatização da gestão do Mercado também é um tema recorrente entre os expositores. “Temos uma nova luta caso a gestão do Mercado seja privatizada. Somos totalmente contra”, diz Marcelo.

COMENTÁRIOS