Detectores de fumaça e alarmes começam a ser instalados em setembro

Itens são parte da última etapa do PPCI, executado pela Associação de mercadeiros.

 

Chegaram no final de agosto novos equipamentos de segurança do Plano de Prevenção e Proteção Contra Incêndios (PPCI): detectores de fumaça e alarmes de incêndio. O PPCI, assumido pela Associação de Comércio do Mercado Público Central (Ascomepc) em maio de 2018 por meio de acordo com a prefeitura no Ministério Público e bancado por recursos individuais dos mercadeiros, está em fase final. Os detectores e alarmes começam a ser instalados ao longo de todo o prédio neste mês de setembro.

O telão de monitoramento, que será pendurado na estrutura de ferro ao centro do Mercado, indicando o status de cada detector em tempo real para a população, deve chegar em breve e será o último item a ser instalado.

A empresa contratada, Firebee, usa um sistema de equipamentos sem fio da WDTA e tem no histórico a instalação desses itens sem fio em outras estruturas tombadas, como a Catedral Basílica de Salvador/BA. “Um equipamento com fio é muito mais barato e, no entanto, nós não tivemos a menor dúvida em optar pelo sem fio, pois sabíamos que, desta forma, nós respeitaríamos a história do Mercado Público, sem desconfigurá-lo”, diz Adriana Kauer, presidente da Ascomepc.

 

Corrimãos e rampas de acesso

Já estão prontos os orçamentos da parte de iluminação de emergência e de rampas de acesso. Além disso, está orçada, para além do PPCI, a instalação de corrimãos, previstos para facilitar o deslocamento de pessoas com dificuldade motora.

“Quando dizemos que o Mercado é visitado por todos os públicos, sabemos também que é por todos os tipos de pessoas — por aquelas que não tem nenhuma dificuldade motora, mas também por pessoas com dificuldades. Para nós, é muito importante ter este carinho com o público do Mercado”, diz Adriana. A segunda etapa do PPCI deve ser concluída até dezembro para aquisição do alvará definitivo do Mercado.

COMENTÁRIOS