Coopeixe, a primeira cooperativa do Estado

COOPERATIVISMO

Ela antecipou uma tendência hoje dominante entre os pescadores, ou seja, de se associarem para poder ganhar mais força e estrutura. Um pioneirismo que trouxe muitos resultados para os pescadores da Z5.

Valdir Coelho, Presidente da Coopeixe

     Valdir Coelho, 57 anos, o presidente da COOPEIXE, na época da fundação da cooperativa era também o presidente da Colônia. Em 1999. Ele lembra que a necessidade dos pescadores profissionais, é que motivou a iniciativa. Filho e neto de pescador, Valdir informa que a cooperativa esta há cinco anos no Mercado. “Foi uma parceria com o município e estado. O posto de pescado surgiu via Orçamento Parti-cipativo”, diz.
Com o posto os pescadores ganharam espaço para armazenar o peixe, um lugar com estrutura, essencial para a comer-cialização, porque o importante é escoar a produção. Ou, como diz Valdir, “o próprio pescador colocando no mercado um pescado de qualidade dentro de todas as normas exigidas, sem intermediários.” Para isto, diz que o Governo Federal deu muito apoio e que já foram criadas várias cooperativas, em São Lourenço, Lagoa dos Patos, Pelotas e Rio Grande. Isto é importante porque são criados novos postos de pescados para armazenar o peixe. Segundo ele, tem muito ainda para se conquistar, buscar peixes em outras comunidades, mas por enquanto está faltando mais articulação
Em relação à matéria-prima, hoje rareando, muito diferente do “boom” da década de 70, ele diz que cada peixe tem sua época de pesca. A Z5, abrange Guaíba, Eldorado do Sul, Canoas, todas as ilhas, Novo Hamburgo, Belém Novo, e uma parte de São Jerô-nimo. Portanto, peixes de água doces que chegam ao mercado com preços mais baixos. Mas para a COOPEIXE a dificuldade na área da pesca é a falta de incentivo fiscal. “A tributação é muito alta, 17%. Tem estados que a atividade é, inclusive, isenta”, diz Valdir. A Colônia tem hoje cadastrados aproximadamente 1200 pescadores que podem contar com os benefícios de uma cooperativa e atender todas as exigências legais para a comercialização do peixe, principalmente para o seu bene-ficiamento que exigem equipamentos mais sofisticados, como cilindro de lavagem, máquina de gelo, câmara fria,uniformes e equipamentos adequados.

COMENTÁRIOS