Conheça as Bancas do Mercado

Açougue Pozzebon – Loja 25 – Externo

A banca pertence a dois sócios, Leoni Pellens e Ildo Poz­zebon. A sociedade vem desde a época da reforma do Mercado, em 1996, ainda com o nome da antiga banca, de Rossetti, Pozzebon. A banca oferece produtos variados, além de carne de gado, de porco e ovelha: lingüiça, charque, comida para cães. Leoni diz que a maioria procura “miudezas” e no fim de semana, muita costela. Leoni trabalhava como funcionário na banca 36, que na época era de Luiz Salami em sociedade com Ildo Poz­ze­bon. Era o, então, Açougue Rossetti, Pozzebon. Ildo, que está no Mercado desde 1980, lembra que a banca ficava onde hoje está a Banca 40 e que os dois açougues não tinham muita diferença um do outro, “vendiam as mesmas coisas”, afirma. Mesmo com a mudança, durante a reforma, a banca não fechou um único dia, os dois fazem questão de ressaltar, orgulhosos.

F. 3213059
Cartão de Crédito: Visa, Banrisul, Mastercard

 

 

Lancheria Luz – Lojas 145-147 – 3028

A antiga lancheria foi fundada em 1966 por um italiano, depois passou para Darci Pereira da Luz, da onde surgiu o atual nome do estabe­lecimento. José Farias e Geovani farias, atuais proprietários já estão no lugar há uns 20 anos. O ponto antes ficava onde hoje é a Peixaria Japesca. Farias diz que na lancheria “roda tudo” – ao meio-dia, o forte é o a la minuta. Depois, suco, sorvete, xis, pastel – tudo. Mas o mais forte mesmo, durante o dia é o lanche. “5 e meia da manhã já estamos aí, abrimos as portas às 6 horas da manhã, até as 10 da noite. São em nove funcionários, desde a manhã até a noite, puxado, sempre, sempre”, conta. A reforma foi altamente benéfica para a banca, informa ele, lembrando que quando era do outro lado o movimento era bem menor e o público muito diferente. Hoje é só lanche, comida, sem bebida, com um público mais qualificado. “Com a reforma mudou da noite pro dia. Só posso dizer é que se temos alguma coisa, devemos à Lancheria Luz. Vim de fora do interior, sem nada, chinelo de dedo, trabalhando de empregado”, finaliza o entusiasmado Farias.

F. 3028.4537
Cartão de Crédito: Todos

 

Padaria Pão de Açúcar

A padaria já está fazendo 60 anos de Mercado, sendo um dos pontos mais movimentados. O produto mais tradicional da Padaria, entre os lanches, é o Farroupilha, um típico lanche gaúcho, a começar pelo nome. Presunto, queijo e manteiga. O proprietário, Marcelo Franchetti, sócio junto com sua esposa Letícia e seu irmão Mauri, destaca ainda a cuca da casa como sendo muito tradicional e uma completa linha de pães que já começam a ser vendida a partir das 5 horas da manhã. Para a Páscoa, pretendem vender muita torta de “negrinho”. E, claro, as tortas, que também são o forte da Pão de Açúcar: Marta Rocha, Morango e Nata, Chocolate. A Padaria trabalha também com encomenda e muita distribuição no centro, em lancherias, empresas, bancas. A atual obra do Mercado, onde até hoje conserva o canteiro de obras em frente à Padaria, prejudicou bastante o movimento, diz Marcelo. “Isto foi um ano de atraso, o meu fatura­mento caiu em média de 25%”. Para ele não foi uma reforma bem planejada, ressaltando que graças às entregas e encomendas, conseguiu se manter. Mesmo assim o movimento na Pão de Açúçar é constante.
F. 32244404

 

Banca 47

Ari Kauer está há 24 anos nesta banca que tem muitas histórias para contar. Ele tem vários irmãos e parentes no Mercado Público. Domingos, o mais velho está no Mercado há mais de 40 anos e foi quem trouxe os outros, de Lajeado, para trabalhar na sua banca, a então banca 17. De irmãos, Ari garante que a dele é a maior família do Mercado. São nada menos do que cinco deles trabalhando no velho Mercado que acolheu a todos. Sua banca, a 47 sempre esteve no mesmo lugar. Antigamente ela vendia mais cereais, arroz, feijão. Hoje vende mais char­que, materiais para fazer lanches. Com toda esta relação familiar com o Mercado, principalmente de vivências familiares, Ari agradeçe muito ao Mercado: “Gosto e preciso muito dele“, conclui com emoção.

F. 3013.3007
Cartão de Crédito: Todos

COMENTÁRIOS