Cinemateca Capitólio

Na década de 1990, a Prefeitura Municipal de Porto Alegre e o Governo do Estado iniciaram uma ampla política de revitalização da área central, focada na recuperação de praças e passeios públicos, incluindo também a implantação de equipamentos culturais, como forma de resgatar a vida artística do centro da capital. Neste contexto, em 1994, a Prefeitura adquiriu o prédio do antigo Cine Theatro Capitólio, construído em 1928, visando a sua futura restauração. A ideia da criação da Cinemateca Capitólio só nasceu em 2001, quando aconteceu uma mobilização inicial por parte da comunidade cinematográfica, representada pela APTC-RS.

 

Em 2003 o projeto fica mais consistente, através de uma parceria firmada entre a Prefeitura de Porto Alegre, a Fundacine – Fundação Cinema RS, e a AAMICA – Associação dos Amigos do Cinema Capitólio, com o objetivo de restaurar o prédio, transformando-o numa cinemateca, com as funções de preservar, armazenar e difundir a memória do cinema e do audiovisual do Rio Grande do Sul.

Por sua relevância arquitetônica e cultural, o prédio foi declarado Patrimônio Histórico do Município de Porto Alegre (em 1995) e do Estado do Rio Grande do Sul (em 2007).

A primeira fase do restauro do prédio aconteceu entre 2004 e 2006. Em 2010 a segunda etapa, destinada aos sistemas elétricos e de climatização, aquisição de mobiliário e outros equipamentos. E em outubro de 2012, a terceira e última etapa da restauração incluiu a execução das obras civis de reparos e adaptações do prédio, a compra e a aquisição de equipamentos específicos de projeção e som, equipamentos de informática e telefonia, entre outros itens necessários para a efetiva conclusão do projeto.

Essa última obra foi entregue em 2014, marcando oficialmente a conclusão do longo processo de recuperação e implantação do prédio da Cinemateca Capitólio e a sua reintegração ao espaço urbano de Porto Alegre. Paralelamente, foram iniciados os processos para aquisições de equipamentos de projeção e som, da área de acervo e de todo o mobiliário. Um processo que finalmente se concluiu em março de 2015, com a abertura do prédio ao público.

O espaço é composto por uma sala de cinema com 164 lugares, sala de exposições, um espaço para cafeteria, salas de pesquisa, sala multimídia e o Centro de Documentação, composto por uma biblioteca especializada em cinema, acervos de filmes em película, acervo de filmes em vídeos (VHS, DVD, Blu-ray, etc.) e acervo arquivístico, onde são encontrados arquivos pessoais de críticos e cineastas, além do Arquivo da Cinemateca  Capitólio, composto por roteiros de filmes, sinopses de filmes, recortes de jornais e revistas, correspondências, relatórios, fotografias, cartazes, entrevistas, entre outros documentos que ajudam a contar a história do cinema gaúcho.

 

Foto: Ivo Gonçalves/PMPA

COMENTÁRIOS