Charque Paladar Tradicional

Foto: Divulgação

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conservando (e inovando) uma tradição gaúcha

A empresa existe desde os anos 80, e funcionava em Dom Pedrito. No ano de 2004 ela se instalou em Bagé, onde se encontra até hoje, no Bairro Arvorezinha. Todo processo de produção do charque é feito na empresa, desde a aquisição da matéria-prima à secagem do charque. É a única empresa autorizada pela Coordenadoria de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Cispoa). Em 2016, obteve o certificado do SISBI, qualificando-se para comercializar para fora do estado. Luis Vanderlei, representante e escriturário da empresa, traz mais dados sobre a Charque Paladar.

Como surgiu o nome da empresa?

Em função do sabor da carne produzida na campanha, surgiu a ideia de colocar a marca Paladar no charque produzido em Bagé. O responsável pela empresa é Valter Nilo Machado Martins.

Quais são os produtos mais vendidos, e qual o diferencial dos charques?

É o charque picado embalado a vácuo. Os tipos mais vendidos são o charque dianteiro e o light. Nosso diferencial é o processo de produção, desde a chegada da matéria-prima até o momento de embalar, passando pelo processo natural de salga e secagem ao sol, sem o uso de nenhum produto químico, uma produção basicamente artesanal.

Como a empresa chegou a esse patamar de qualidade?

Através do nosso setor de qualidade, onde são periodicamente coletadas amostras para serem analisadas por laboratórios credenciados, sob a supervisão de um profissional técnico de nossa empresa. Setor esse que também é responsável pela elaboração de novos produtos, como charque light e ovino.

Quem pode consumir o produto?

O charque é sem restrições para as pessoas que possam consumir carnes bovina, ovina e sal.

Quais deles são encontrados no Mercado Público de Porto Alegre?

No Mercado são vendidos charque bovino em manta e picado de dianteiro, coxão, maninha, picanha e ovino.

COMENTÁRIOS