Chalé e Praça XV, retomando o velho charme

Até março de 2011 o entorno do Mercado vai passar por grandes modificações e esta importante parte do Centro Histórico certamente vai ganhar muito em qualidade, objetivo central de todo um programa já em andamento para a sua revitalização e requalificação. Em processo de deteriorização ao longo das últimas décadas, o velho centro começa a retomar a sua importância. Foram decisivas nessa retomada as reformas do Paço Municipal e do Mercado Público e, mais recentemente, as ações do Programa Monumenta e a retirada dos camelôs da Praça XV.

 

 

Fotos: Projeto Silvio Benedetti

A praça, que já teve tempos de glória, charme e importância na vida da cidade, é por onde tudo começa. Ela já está passando por reformas que, se não vão resgatar as suas características iniciais, com certeza irão resgatá- la do estado de penúria a que estava jogada nos últimos anos. O arquiteto Glenio Bohrer, coordenador do Programa Viva o Centro, ressalta que umas dasvantagens é a volta do tráfego, de baixa velocidade, nas ruas Marechal Floriano e José Montaury e na própria Praça XV, principalmente porque a circulação de veículos à noite geralmente aumenta a segurança. A praça deverá ser rebaixada e ganhará nova arborização, bancos, iluminação especial nos jardins. A sua revitalização se completará com a também reforma de seu principal símbolo, o Chalé da Praça XV. Um marco na história da boemia portoalegrense do século passado, o velho Chalé vai ser ampliado, ganhando nova cozinha (nos fundos) e se expandindo em direção ao chamado abrigo dos bondes. Diz Bohrer que a ideia é que o Chalé interaja com a Praça XV, atu- Inaugurado em 1885 e tombado pelo Patrimônio Histórico Municipal em 1998, o velho Chalé da Praça XV, referência fundamental na vida boêmia da cidade, está passando por novas reformas que deverão dobrar a sua capacidade de atendimento. A previsão é que em três meses os seus antigos e novos admiradores possam Como ficará o Chalé ando como um elemento que potencialize e anime a praça, o Largo Glenio Peres e até mesmo o Centro, com shows, eventos e outras atividades. “Isto vai trazer frequentá-lo com mais conforto e segurança. A sua reforma é, sem dúvida, o centro da revitalização da área que envolve a Praça XV, o Mercado e o próprio Largo Glênio Peres. O Chalé terá um novo salão envidraçado, com abertura do terraço ao público e a cozinha, hoje funcionando com espaço precário no andar superior, ganhará novas instalações. A segurança ficará por conta de novas câmeras de monitoramento, 24 horas. O Largo, por sua, terá todo seu pavimento reformado e rebaixado, ganhando também um chafariz, além de postes de iluminação. As obras integram o Projeto Viva o Centro, custaram RS 1,5 milhão e estão previstas para o fim do ano. um público que não costuma vir ao Centro”, avalia, ressaltando a sua crença de que o novo Chalé venha a ser um pólo animador do entorno. Para isto ele vai ganhar deques com luz de ambientação, e na segunda etapa da sua restauração, iluminação cênica, ou seja, de baixo para cima.

 

 

Como ficará o Chalé

Inaugurado em 1885 e tombado pelo Patrimônio Histórico Municipal em 1998, o velho Chalé da Praça XV, referência fundamental na vida boêmia
da cidade, está passando por novas reformas que deverão dobrar a sua capacidade de atendimento. A previsão é que em três meses os seus antigos e novos admiradores possam frequentá-lo com mais conforto segurança. A sua reforma é, sem dúvida, o centro da revitalização da área que envolve a Praça XV, o Mercado e o próprio Largo Glenio Peres. O Chalé terá um novo salão envidraçado, com abertura do terraço ao público e a cozinha, hoje funcionando com espaço precário no andar superior, ganhará novas instalações. A segurança ficará por conta de novas câmeras de monitoramento, 24 horas. O Largo, por sua, terá todo seu pavimento reformado e rebaixado, ganhando também um chafariz, além de postes de iluminação. As obras integram o Projeto Viva o Centro, custaram RS 1,5 milhão e estão previstas para o fim do ano.

 

Deques, melhorando o visual do Mercado

Já em relação aos deques, recentemente implantados junto aos bares do Mercado, que fazem frente para o Largo Glenio Peres, o arquiteto acha que eles melhoram a aparência do Mercado, criando uma imagem adequada para receber os turistas e os portoalegrenses que desejam mais
qualidade. Ele lembra que também estão sendo desenvolvidos cursos com os permissionários para melhorar os espaços como um todo, principalmente a aparência e o atendimento.

Foto: Divulgação/PMPA

“Queremos que sejam bares populares, mas com qualidade”, diz. Para a segurança, informa que uma série de ações, incluindo eventos, vai contribuir para isso, além novas e modernas câmeras de vigilância, com detector de movimento, ampliando até 120 mais a sua capacidade de definição de imagem. Projeta-se também fazer um monitoramento com ronda da guarda mais constante. Para ele tudo isto vai melhorar, mais do que os próprios bares, a imagem de todo o Mercado.

 

Recentes
Antigos

COMENTÁRIOS