Cerveja, aromas e sabores

Cerveja, aromas e sabores

Marcelo Scavone, Sommelier de cervejas formado pela Doemens Akademy/Senac-SP, sócio proprietário da EGAS – Escola de Gastronomia Aires Scavone e Membro da Associação Brasileira de Sommeliers de Cervejas.

 

    O assunto deste mês é a combinação de Queijos e Cervejas. Ambos com remotas origens, o primeiro com surgimento datado de 12.000 AC, e a cerveja com suas primeiras inscrições no ano de 6.000 AC, respeitosas tradições. Costumeiramente estamos mais acostumados a ouvir e falar sobre queijos e vinhos, principalmente nesta época do ano. Chegará o tempo em que teremos feiras de inverno em hipermercados, Mercado Público ou outros estabelecimentos de mesmo porte e importância, com a apresentação de variedades de queijos, acompanhados da estrela da festa, neste caso as cervejas especiais. A combinação de queijo com cerveja ainda é nova, ainda que esta experiência gastronômica seja sempre muito positiva. Somos ainda muito preconceituosos ou nos aventuramos pouco em novas experiências? Por exemplo, quem disse que não se toma cerveja no inverno? Até acho que é uma das melhores estações do ano para se degustar a diversidade de estilos e a potência que cada estilo pode nos proporcionar. Interessante que se formos buscar na literatura dos estilos, vamos observar que existem mais estilos com mais corpo do que estilos que indiquem cervejas refrescantes.

    Para esta estação então, buscaremos cervejas que nos aqueçam e nos alimentem e não cervejas que simplesmente nos refresquem como as já bem conhecidas como, por exemplo, as cervejas do estilo Lager. A cerveja, como já falamos em outro momento, é a mais versátil das bebidas, gastronomicamente falando. A harmonização de queijos e cervejas possui, sim, algumas indicações e combinações. Porém é respeitado o gosto de cada indivíduo. Como em qualquer situação de harmonização, buscamos o equilíbrio. Desta forma é normal que, com cervejas mais delicadas ou leves, a opção seja por queijos de mesma intensidade, ou seja, frescos e suaves. As cervejas do estilo American Lager podem fazer um bom dueto com o queijo de Minas, queijo cottage ou mussarela de búfala. Aprofundando um pouco mais em sabor poderemos formar um belo dueto com o queijo gouda e uma cerveja Pale Ale ou Golden Ale, por exemplo. Intensificando um pouco mais sugiro uma cerveja Schwarzbier ou uma Doppelbock com ou queijo Gruyere, fica excelente! Não paramos por ai, até mesmo porque existem centenas de variedades de queijos e cervejas e suas variadas combinações. Para os amantes do gorgonzola, como aquele que vos “fala”, é claro, uma Índia Pale Ale será a mais indicada, por ser mais potente em teor alcoólico e mais lupulada, preparando nosso paladar para a próxima garfada. Queijos com características peculiares como o Feta, por exemplo, podem bem serem harmonizados com uma Whitte Bier. Já um queijo provolone, com sua característica defumada, por semelhança poderá fazer um dueto com uma Rauchbier.

    Para uma saborosa brincadeira entre amigos ou casais, é minha sugestão aos leitores que se faça uma seleção de pelo menos quatro queijos, três embutidos, além é claro, das cervejas, umas cinco ou seis, preferencialmente de estilos diferentes. Proceda a execução de uma tábua de frios, com os elementos comprados acompanhados de pão branco e pão preto. Divida as cervejas entre os participantes e desfrute dos encantos e sensações que estes elementos poderão lhe proporcionar.

Antigos

COMENTÁRIOS