Cardápio jovem empratado: ano novo, gastronomia nova

CHEF CRISTHIAN ZIMMERMANN E NICOLY COSTA

 

Cardápio jovem empratado: ano novo, gastronomia nova

 

Gastronomia, além de tudo, está na moda, principalmente entre os jovens. É um dos cursos mais procurados no vestibular. E a garotada chega renovando e trazendo muitas novidades, reinventado, porém respeitando os hábitos consagrados. E o caso deste jovem casal, responsável pelo cardápio do Nicky Bistrô, que desde 2006 trabalha com a ideia de apresentar uma comida que dê prazer, além de saciar a fome. Com uma intensa e quase diária relação com o Mercado, onde se abastecem, destacam a Banca do Holandês, a Banca 47 e, principalmente, a Japesca. “Já somos familiares”, diz Nicoly.

 

     Nicoly fazia Direito, mas “não estava se encontrando”. A mãe, Nádia Miller, que já tinha o bistrô desde 2006, sempre foi uma inspiração. Resultado: a ex-futura advogada partiu para a área: fez um curso no SENAC, onde foi aluna dos professores Mamadou e Marcus Jiorge. Por sua vez, Cristhian foi descobrir a cozinha no quartel, onde teve contato com “grandes chefs” militares. A partir daí, uma curta e intensa trajetória: Joe & Leo’s, Sushiburi, curso de gastronomia na Univates e uma passagem por Blumenau, onde trabalhou com culinária mexicana. Depois conheceu Nicoly e passaram a responder pelos pratos do Nicky Bistrô. O estilo? Diz ela: “Ouvi um termo de um professor do SENAC que identificou nossa comida como “confort food” – é uma comida que se come e lembra como a comida da tua mãe. A gastronomia te prepara para alta gastronomia, mas tu usas isso muito pouco no dia a dia e as pessoas hoje são muito carentes de uma comida gostosa que traga prazer, que não se coma só para se saciar”.

 

Empratado, uma grande inovação para as ceias de fim de ano

 

     Foi com este espírito, de renovação, que eles partiram para a concepção do prato de fim de ano. “O importante é transformar a matéria prima em uma coisa maravilhosa. Renovar o prato com qualidade, com apresentação e ter sabor diferenciado. Antigamente eram só os pratos básicos, hoje o pessoal mais jovem está transformando eles”, diz Cristhian. O prato escolhido? “Acredito que encha mais os olhos e saia da tradição do peru em cima da mesa. As codornizes ou perdizes dão um pouquinho mais de trabalho, mas é mais prático na hora de servir, não tem desperdício”, diz Nicoly. Para ela trata-se de um prato que se assa rápido e se a idéia é apresentar uma proposta mais inovadora no natal, empratado é o caminho. Ou seja, um prato pronto servido, uma variação do estilo à francesa. Mas nada impede que as aves possam ser servidas em uma travessa, decorada. Versátil, para o fim de ano o prato permite trocar a carne, para peixe, pernil ou copa lomba, acompanhando arroz ao pesto, com molho de maracujá. Para harmonizar a dica é frisante branco, gelado, ou champanhe, que ressalta o sabor do prato. “O importante é diferenciar senão, fica na mesma”, finaliza Cristhian. A sugestão para entrada é um Mix de folhas, acompanhado de figos com queijo gorgonzola (o figo pode ser assado ou não) e redução de aceto balsâmico. Essa salada pode ser colocada em uma cesta de parmesão.

 

Prato principal: Codorna ou Perdiz recheado

 

     Codorna ou perdiz, assado, recheado com farofa de bacon e damasco. Purê de maçã verde e arroz na champanhe com amêndoas. Temos a opção de colocar o arroz com morangos também, ou um arroz ao pesto, que é muito bem vindo para a harmonização do prato. Opção de troca de carnes: peixe, pernil ou copa lombo.

 

Sobremesa

 Torta de sorvete: Torta de sorvete de nozes carameladas, com camada de brownie e calda de café expresso.

 

COMENTÁRIOS