Aniversário do Mercado, 138 anos de tradição

Em 1850 os primeiros estudos foram esboçados para a construção deste imponente Mercado  Público. O objetivo da construção era o abastecimento comercial de Porto Alegre. Muitos devem ter pensado: “isso é loucura, não vai dar certo”, pois sua estrutura era demasiadamente desproporcional para as construções da época. Não demorou muito para que percebessem o valor do projeto. A partir de 1869, quando foi aberto ao público, até hoje o Mercado é o ponto de referência da cidade de Porto Alegre. Seja em aspecto culturais, sociais ou econômicos, ele é a síntese da cidade. Sobreviveu a incêndios, enchente e tempestades humanas, que o queriam no chão. Mas felizmente foi tombado, em 1979, não pelos desastres e sim pelo Patrimônio Histórico e Cultural de Porto Alegre.

Em 3 de outubro de 2007 comemorou-se 138 anos do MPC. Como bom velhinho, o Mercado permitiu que se assoprassem as suas velas. Foram recordados os velhos tempos, quando no Bar Treviso, Graxaim, no bom Gambrinus ou ainda no tradicional Naval, varava-se a madrugadas, esquecendo do tempo, mergulhando em discussões dos mais diversos assuntos, ou simplesmente observando o movimento dos porto-alegrenses, permitindo que o tempo escorresse entre os dedos. Para animar a festa a Banda do Comando Militar do Sul, ditou o repertório e marcou a melodia da canção mais antiga que se tem registro. O prefeito em exercício Eliseu Santos, o titular da Secretaria Municipal da Produção, Indústria e Comércio (Smic), Idenir Cecchim, o Presidente das ASCOMEPC, Fortunato Garcia Machado, os permissionários do Mercado e autoridades, acompanharam a celebração.

Novos serviços estão sendo implantados para atender os frequentadores, como o posto de auto-atendimento do Banrisul, novas instalações do Serviço de Atenção ao Turista (SAT), a conclusão da licitação da churrascaria a instalação de uma casa de doces de Pelotas. Existe ainda a previsão de um grande evento de Natal, já no terceiro ano. “O Mercado irá ficar mais bonito, todas as salas do segundo piso estão sendo ocupadas”, ressalta Marco Antônio Pinto, coordenador do Mercado Público pela SMIC

Foto: Gilberto Simon

O Mercado terá um tratamento biotecnológico em suas limpezas diárias com água, o que deve neutralizar o cheiro proveniente de resíduos orgânicos das bancas e lojas que trabalham com produtos alimentícios, sobretudo as peixarias. José Antonio Pires da Silva, proprietário do Restaurante Havana, loja 127 externa, lembra que os frequentadores do Mercado gostam de ir lá porque é um ponto central, muitas vezes de passagem. “O Mercado está de parabéns, é um local de encontro do porto-alegrense, com toda a sua uma história. Todos nós estamos de parabéns. 138 anos é uma vida, uma história.” Diz ele.

“É uma felicidade estar no Mercado, isso aqui é nossa vida, é o meu ‘EU’. A minha família trabalha aqui dentro”, devaneia Renato Jardim Rosa, proprietário da banca 31, há 27 anos no mercado. “Prezo muito pelo meu freguês. Eu tenho amigos aqui. Tenho freguês que compra aqui a quatro gerações”, lembra Renato. Mas nem tudo são flores, pela grandiosidade que é o Mercado, o seu aniversário não passou de um simples momento de lembrança. “Eu achei que este ano tudo foi muito simples. Deixou muito a desejar quanto à qualidade do evento, se olharmos pela importância que o Mercado tem frente aos seus consumidores. Poderia ter sido melhor”. Cláudio Klein, há 45 anos no Mercado.

Parabéns ao Mercado Público, parabéns àquelas pessoas que fazem deste local a sua vida e história!

COMENTÁRIOS