A história de um desenhista crônico

A história de um desenhista crônico

 

Livro e exposição lançados no final de outubro registram vida e obra do artista gráfico Edgar Vasques

 

            Charges, cartuns, caricaturas, ilustrações, quadrinhos, aquarelas… Expressões e traços distintos saídos da mão do mesmo artista. Edgar Vasques completa 45 anos de carreira com uma ampla e diversificada produção, inspirando seguidores e admiradores de seu trabalho. Para celebrar, foi lançado em 29 de outubro o livro “Edgar Vasques: desenhista crônico”, acompanhado de uma exposição com 100 trabalhos na Sala Arquipélago do Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, aberta até 31/01/2014. O livro é coordenado pela professora e pesquisadora Susana Gastal, com produção executiva de Marisa Veeck, e chega para integrar a série “Artistas do Traço”, que lançou “Caminhos de Santiago” em 2012, sobre o também artista gráfico Santiago. “É um projeto mais amplo”, conta Susana Gastal. “Porto Alegre tem uma tradição muito rica em arte gráfica, desde o início do século XX”. O projeto, financiado pelo Fumproarte e com apoio do Grupo CEEE, procura valorizar essa produção.

 

Imagens e relatos

 

            O livro conta com dois textos críticos sobre o trabalho de Vasques: um olhar artístico-estético por Ana Carvalho, doutora em Artes e professora do Instituto de Artes da Ufrgs, e um olhar sobre o aspecto social do personagem de quadrinhos Rango por Luciane Jung de Campos,  doutora em estudos da linguagem professora da Universidade de Caxias do Sul. Além disso, textos dos artistas gráficos Joaquim da Fonseca e Santiago. “Ele como artista e ele como pessoa”, sintetiza Susana, que também traz uma grande entrevista com Vasques sobre sua trajetória.

            Como não poderia faltar, o livro é recheado com imagens de Vasques, desde seu trabalho em arte gráfica aplicada (aquele que chega ao público pelas páginas de jornais e revistas) até aquarelas, e ainda rascunhos de seus sketchbooks, que ele carrega sempre para retratar o mundo através de seu olhar. “Já desenhei em ônibus, na fila do banco, em bar, em espetáculos que estou assistindo. Tem desenhos feitos em Porto Alegre, Rio de Janeiro, na Europa, não interessa onde eu estou”, conta Vasques. “Por isso o nome do livro é ‘desenhista crônico’: é como se fosse uma doença crônica”, brinca. Seus trabalhos mais conhecidos são a série Rango, personagem nascido na ditadura militar que traz à tona questões sociais e a pobreza no país, e a versão para HQ do Analista de Bagé, criação de Luis Fernando Verissimo. Vasques já editou 20 livros e tem coautoria em 23, incluindo o livro “Mercado Público – Palácio do Povo”. É ganhador de diversos prêmios e é atuante no cenário da arte gráfica, produzindo e questionando sempre. “O livro ficou um retrato bem abrangente”, diz. “Vai ser uma referência para quem se interessar pelo meu trabalho, e até pela posição desse trabalho no contexto”, completa o artista, que também é colaborador do Jornal do Mercado.

 

Você confere uma entrevista exclusiva com Edgar Vasques aqui no site, no link: http://bit.ly/187vOYU

 

Foto: Emílio Chagas

COMENTÁRIOS