A Enchente de 1941, o centro da cidade debaixo d’água

Centro Histórico, por José Weis*

 

Há 70 anos Porto Alegre vivia uma das suas maiores tragédias, a famosa Enchente de 41. As águas invadiram o centro da cidade, indo até a Rua da Praia e causando prejuízos generalizados. A parte baixa foi, onde está o Mercado Público foi, naturalmente, a que mais sofreu.

 

Quem entra no Mercado pelo portão central do Largo Glênio Peres, pode observar à sua esquerda a memória da enchente. A marca está lá, gravada numa placa, que aponta a altura da água no dia 8 de maio de 1941. Nestes seus 141 anos de existência e prestação de serviços à Capital, o Mercado Público, seus mercadeiros e o público que o frequenta têm muitas histórias para contar. Uma delas começou a acontecer há exatos 70 anos, a Enchente de 41. Foi um momento em que o Mercado e a cidade foram invadidos pelas águas do Guaíba. Um verdadeiro flagelo, 22 dias com as ruas e prédios tomados pelas águas. Um recorde: foram 619,4 milímetros de precipitação, entre os dias 10 de abril e 14 de maio. E não foi apenas em Porto Alegre que choveu tanto, houve índices maiores em cidades como em Guaporé e Cruz Alta. Porém, a situação geográfica da Capital, e o Guaíba foram fatores que agravaram e determinaram a cheia. O Guaíba é um desaguadouro de quatro caudalosos rios; Jacuí, Caí, Gravataí e Sinos. Além de todo este aguaceiro, o vento sul, como um inimigo invisível represava tudo.

 

Uma cidade parada
O centro de Porto Alegre se transformou em uma verdadeira Veneza, sem o charme, sem o romantismo da histórica cidade italiana, é claro. A enchente foi aos poucos paralisando quase tudo e quase todos. As ligações
da Capital com o interior ficaram praticamente interrompidas: dos bondes aos trens, dos telefones ao telégrafo, o campo de aviação e cais do porto, tudo estava fora de operação ou funcionando precariamente. No final
do mês de abril, começaram a escassez de gêneros alimentícios. A água invadira o Mercado Público, onde já tinha a marca de um metro de altura. E até a imprensa foi prejudicada pela enchente; os jornais Correio do Povo e Folha da Tarde deixaram de circular entre os dias 6 e 10 de maio. As águas tomaram conta das oficinas gráficas e do depósito de papel, que ficava na Rua 7 de Setembro. Os relatos disso estão em dois livros do jornalista Walter Galvani, Um Século de Poder (Editora Mercado Aberto) e Olha a Folha (Editora Sulina), ambos sobre os dois periódicos da Companhia Jornalística Caldas Júnior.

 

A solidariedade
Felizmente, duas emissoras de rádio da cidade não saíram do ar e tiveram uma participação muito atuante em meio à enchente. Tanto a Farroupilha
como a Rádio Sociedade Gaúcha se puseram à disposição da população
e do atingidos pelas cheias. Depois que a Farroupilha pôs no ar um chamado à solidariedade pelo menos 411 pessoas ofereceram suas residências para abrigar os flagelados. A Gaúcha chegou a destinar os recursos das dedicatórias musicais para os desabrigados. A própria
imprensa registrou tudo quanto possível. No livro A Enchente de 41 (Editora Libretos), do jornalista e pesquisador Rafael Guimaraens, é feita uma homenagem a Revista do Globo que estampava na capa a cobertura
da enchente, numa edição especial que saiu ainda na segunda quinzena de maio de 1941.

 

Memória
No mês de abril, próximo à Páscoa, quando a edição anterior do o Jornal do Mercado estava por sair, soubemos da morte de Arlindo Toniolo, aos 94 anos. Ele era um dos três irmãos que foram destaque na edição de novembro de 2009. Arlindo contava uma passagem da Enchente de 41, quando ele e seus irmãos tiveram que fazer muita força para salvar as mercadorias quando a água tomou conta do Mercado. Durante 22 dias, Porto Alegre padeceu sob o ciclo das águas de abril (e maio). Mais de 70 mil moradores tiveram que abandonar suas casas, 600 empresas, 200 das quais eram indústrias, foram inundadas. Os prejuízos somaram a assustadora cifra na época a 60 mil contos de réis, ou 30 milhões de dólares. Tudo isso, há 70 anos, fatos que não saem da memória de quem os viveu e sobreviveu para contar.

COMENTÁRIOS