6º Encontro Aberto de Cerveja Artesanal, um sucesso

EVENTO

 6º Encontro Aberto de Cerveja Artesanal, um sucesso

     Cada vez mais conquistando adeptos e mercados, a cerveja artesanal tem uma legião de cultuadores no estado. Prova é o retumbante sucesso do 6º Encontro Aberto de Cerveja Artesanal, promovido em fins de outubro, na Casa do Gaúcho. Produzido pela Acerva Gaúcha, uma associação que reúne pessoas que produzem cerveja em casa, o evento tem como proposta promover encontros periódicos, onde os associados trocam informações sobre as cervejas que produzem.

 

     Trabalhando há 13 anos com consultoria, importação e distribuidores de matéria prima de cerveja, Leandro Emmel, da WE Consultoria, diz que tudo começou com o movimento de microcervejarias no Brasil, como a Dado Bier. “Até 2006 existiam praticamente só microcervejarias. A partir daí tomou um cunho pessoal, de fazer cerveja em casa. Esse público começou a nos procurar e a empresa começou a fracionar matéria-prima em menor quantidade, até 1500 litros”. A cada dia entra gente nova nesse mercado. Muitos, informa, já foram pequenos produtores e hoje são cervejarias. Ele também explica que a cerveja é um processo, que exige disciplina, leitura e cuidadosa produção, zelo e higiene. E conhecimento em relação as matérias primas, como malte, lúpulo, fermento e água. “Tem diversas variedades. A combinação e a dosagem é que vão dar essa ampla gama de resultados. Quem está iniciando geralmente opta por estilos mais simples e depois, quando vai voando mais alto, com cervejas mais elaboradas”. Cita o caso da Coruja, hoje uma das mais conhecidas graças, na opinião dele, ao pioneirismo no marketing. O importante, avalia, é que tem muito mercado ainda pela frente.

 

Hobby, diversão e mercado

 

     Mesma percepção tem Paulo Dalla Santa, da Acerva Gaúcha, informado que tem muita gente interessada, sendo hoje no estado cerca de 50 cervejeiros e 14 cervejarias. “Além de fomentar o hobby e a diversão, acaba também fomentando todo o mercado cervejeiro. As pessoas buscam novos sabores, difundem a cultura cervejeira, aumentam o consumo e a Associação faz o seu papel de divulgar o produto. Começamos com 100 pessoas e hoje são mais de mil pessoas, em menos de quatro anos”, diz. Um aumento significativo naquilo que é hoje uma das grandes tendências de mercado. Sobre a Associação, diz que ela nasceu da necessidade das pessoas trocarem e buscarem informações sobre o assunto, lembrando que há pouco tempo era difícil o acesso a insumos e informações. E em relação ao Encontro, informa que são vários objetivos, como o de conhecer as boas cervejas, concedendo premiações e ajudar o cervejeiro a fazer cervejas melhores.  A premiação é feita por juízes, mestres cervejeiros e sommeliers especializados na degustação de cervejas, que passam para cada concorrente uma avaliação por escrito com observações sobre cada cerveja. Sem dúvida, uma tendência. Talvez em breve possa se chegar aos patamares dos EUA, onde até pouco tempo não havia esta cultura e hoje é um dos países que tem os maiores números de cervejarias artesanais.

 

O campeão Jesael Cabeça de Lata: “Fazer cerveja para mim é uma diversão”.

 

     O vencedor do concurso da ACERVA disse que foi muito gratificante participar da experiência, onde disputou com os 70 inscritos (máximo permitido). Ele e seu irmão produzem, em Estrela, a Tiltap Imaginary Beer, cerveja artesanal criada para consumo próprio e para “os amigos que aparecem”, vendida sazonalmente. Para ele o surgimento (e crescimento) da nova tendência é a baixa qualidade das cervejas comerciais.

     “A cerveja vencedora, foi formulada em abril para incentivar um amigo a começar a fazer também em casa. Quando fiquei sabendo desse concurso, fiz a cerveja com algumas alterações e fiquei muito satisfeito pelo resultado inesperado. Ela demorou 28 dias para ficar pronta. Ficar em 1º lugar no concurso que foi muito concorrido, com ótimas cervejas disputando. A produção de cerveja não tem muitos mistérios, é só ter uma ótima assepsia, utilizar matéria-prima boa, importada, malte, lúpulo e fermento, água filtrada. Para fabricar uma boa cerveja, partindo desse ponto, é só seguir as etapas de mostura, filtragem e fermentação com atenção e dedicação que certamente terá em poucas semanas uma cerveja na geladeira de casa para tomar com a satisfação que foi você quem fez. E isso realmente não tem preço!”

 

Cerveja artesanal no Mercado 

 

     Há um ano os apreciadores de cerveja artesanal encontram a novidade no Mercado Público. Mais especificamente no Bar Restaurante Nova Vida, de Rodrigo Tomasel. Ele começou com apenas seis marcas e hoje já disponibiliza mais de 60 para os seus exigentes clientes. “Tem muita gente que procura para levar como presente porque não é aquela marca que vai encontrar em rede de supermercado. Vem clientes de todas as faixas etárias, os mais velhos para degustar e a gurizada para conhecer. E a mulherada também está mandando bem”, diz ele.  O segredo, para Rodrigo, é uma boa filtragem e um índice de amargor não muito elevado. “Acredito no sucesso da idéia porque é um produto de qualidade. Tem muito futuro e mercado pela frente”, conclui.

COMENTÁRIOS